RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


O processo de Copenhaga: cooperação europeia reforçada em matéria de ensino e formação profissionais

Lançado em 2002, o processo de Copenhaga visa melhorar o desempenho, a qualidade e a atractividade do ensino e da formação profissionais (EFP) através de uma cooperação reforçada a nível europeu. O processo baseia-se em prioridades mutuamente acordadas, revistas de dois em dois anos.

ACTO

Declaração dos Ministros Europeus da Educação e Formação Profissional e da Comissão Europeia, reunidos em Copenhaga a 29 e 30 de Novembro de 2002, sobre a cooperação europeia reforçada em matéria de ensino e formação profissionais – «Declaração de Copenhaga (EN )» [Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

A Declaração de Copenhaga define as prioridades do processo de Copenhaga no que respeita à cooperação europeia reforçada em matéria de ensino e formação profissionais (EFP). Este processo tem como objectivo melhorar o desempenho, a qualidade e a atractividade do ensino e da formação profissionais na Europa. Procura incentivar o uso das várias oportunidades de formação profissional no contexto da aprendizagem ao longo da vida (ALV), recorrendo à ajuda dos instrumentos de aprendizagem ao longo da vida.

O processo de Copenhaga prevê:

  • uma dimensão política destinada ao estabelecimento de objectivos europeus comuns e reforma dos sistemas nacionais de EFP;
  • o desenvolvimento de instrumentos e quadros europeus comuns que aumentem a transparência e a qualidade das competências e qualificações e facilitem a mobilidade;
  • a cooperação para promover a aprendizagem mútua a nível europeu e envolver todas as partes interessadas competentes a nível nacional.

As prioridades definidas pela Declaração de Copenhaga constituem a base para a cooperação voluntária em matéria de EFP. Os objectivos, baseados na meta de 2010, são:

  • reforçar a dimensão europeia do EFP;
  • aumentar a informação, orientação e aconselhamento, bem como a transparência, do EFP;
  • criar ferramentas para o reconhecimento mútuo e a validação de competências e qualificações;
  • melhorar a garantia de qualidade do EFP.

Comunicado de Maastricht de 14 de Dezembro de 2004 sobre as prioridades futuras da cooperação europeia reforçada em matéria de ensino e formação profissionais (EFP)

O Comunicado de Maastricht confirma o sucesso do processo de Copenhaga no aumento da visibilidade e perfil em matéria de EFP a nível europeu. Em simultâneo, desenvolve as prioridades definidas pela Declaração de Copenhaga. Para além disso, e pela primeira vez, são estabelecidas prioridades de trabalho específicas a nível nacional em matéria de EFP:

  • aplicar instrumentos e referências comuns na reforma e desenvolvimento de sistemas e práticas de EFP;
  • aumentar o investimento público/privado em EFP;
  • obter o apoio dos fundos europeus (como os destinados ao desenvolvimento social e regional) para desenvolver o EFP;
  • desenvolver sistemas de EFP para satisfazer as necessidades das pessoas e dos grupos desfavorecidos;
  • estabelecer abordagens de aprendizagem abertas, bem como quadros de EFP flexíveis e abertos, para permitir a mobilidade entre diferentes níveis e contextos educacionais;
  • melhorar a relevância e a qualidade do EFP em colaboração com todas as partes interessadas relevantes;
  • desenvolver ambientes conducentes à aprendizagem, tanto em estabelecimentos de ensino como no local de trabalho;
  • promover o desenvolvimento contínuo de competências em matéria de EFP de professores e formadores.

Comunicado de Helsínquia de 5 de Dezembro de 2006 sobre a cooperação europeia reforçada para a educação e formação profissional

O Comunicado de Helsínquia avalia o processo de Copenhaga e revê as suas prioridades e estratégias. Desde a adopção do Comunicado de Maastricht, têm sido registados progressos relativamente aos quadros e instrumentos europeus comuns para o EFP. Foi adoptado o quadro único EUROPASS para a transparência das qualificações e competências e estão a decorrer trabalhos relativos ao Quadro Europeu de Qualificações, ao Sistema Europeu de Créditos do EFP (ECVET) e ao Quadro de Referência Europeu de Garantia de Qualidade para EFP. Torna-se agora necessário reforçar a acção nas seguintes prioridades:

  • melhoramento da imagem, estatuto, atractividade e qualidade do EFP;
  • desenvolvimento, teste e implementação de instrumentos europeus comuns para o EFP, para que possam estar em vigor em 2010;
  • uma abordagem sistemática ao reforço da aprendizagem e cooperação mútuas, nomeadamente, com a utilização de dados e indicadores consistentes e comparáveis;
  • envolvimento de todas as partes interessadas na implementação do processo de Copenhaga.

Comunicado de Bordéus (EN ) (FR ) de 26 de Novembro de 2008 sobre a cooperação europeia reforçada em matéria de ensino e formação profissionais

O Comunicado de Bordéus revê as prioridades e estratégias do processo de Copenhaga à luz de um futuro programa de educação e formação pós 2010. O processo provou ser eficaz na promoção da imagem do EFP, mantendo simultaneamente a diversidade dos sistemas nacionais de EFP. Não obstante, torna-se necessário um novo impulso, nomeadamente no que respeita:

  • à implementação de instrumentos e regimes de EFP para promover a cooperação a nível europeu e nacional;
  • à melhoria da qualidade dos sistemas de EFP e promoção da sua atractividade junto de todos os grupos-alvo;
  • ao reforço das ligações entre EFP e mercado de trabalho;
  • à consolidação dos acordos de cooperação europeus.

Comunicado de Bruges (DE ) (EN ) (FR ) de 7 de Dezembro de 2010 sobre cooperação europeia reforçada em matéria de ensino e formação profissionais para o período de 2011-20

O Comunicado de Bruges fixa objectivos estratégicos de longo prazo para a cooperação europeia em matéria de EFP para o período de 2011-20. Estes objectivos baseiam-se na experiência adquirida e visam responder aos desafios actuais e futuros, tendo em conta os princípios subjacentes ao processo de Copenhaga.

O processo de Copenhaga ajudou significativamente a sensibilizar as pessoas para as questões do EFP a nível europeu e nacional, em especial através da implementação de orientações, instrumentos e princípios europeus comuns para os sistemas de EFP. Todavia, é necessário melhorar a comunicação de modo a reforçar a participação de todas as partes interessadas relevantes, bem como melhorar a ligação do EFP a outras políticas a fim de responder aos desafios socioeconómicos e tornar a mobilidade e a aprendizagem ao longo da vida uma realidade.

Por forma a que o ensino e a formação profissionais possam responder aos desafios actuais e futuros, os sistemas europeus de educação e formação devem:

  • ser flexíveis e de elevada qualidade;
  • adaptar-se às evoluções do mercado de trabalho e compreender os sectores e as qualificações emergentes;
  • assegurar acções de formação adaptadas às necessidades de uma sociedade envelhecida;
  • assegurar a sustentabilidade e a excelência do EFP através de uma abordagem comum da garantia da qualidade;
  • dotar as pessoas da capacidade de se adaptarem e de gerir a mudança, facultando-lhes a aquisição de competências-chave;
  • eliminar os obstáculos à mobilidade transnacional de professores e formandos do EFP;
  • garantir um financiamento sustentável para o EFP e assegurar a utilização eficiente e equitativa desse financiamento.

O processo de Copenhaga é parte integrante do quadro estratégico «Educação e Formação 2020» (ET2020) e pode contribuir para a consecução dos objectivos relacionados com a educação da estratégia Europa 2020. Neste sentido, a visão global para o EFP requer sistemas de EFP europeus mais atractivos, inclusivos, pertinentes, acessíveis, orientados para a carreira, flexíveis e inovadores até 2020. Com base nesta visão, os 11 objectivos estratégicos de longo prazo para a cooperação europeia em matéria de EFP para o período de 2011-20 em conjunto com os 22 resultados alcançáveis a curto prazo para o período de 2011-14, que estabelecem acções concretas a nível nacional para a consecução dos objectivos estratégicos, exigem, em especial:

  • o reforço da qualidade, da eficiência, da atractividade e da pertinência do EFP;
  • tornar realidade a aprendizagem ao longo da vida e a mobilidade;
  • o desenvolvimento da criatividade, da inovação e do empreendedorismo;
  • a promoção da igualdade, da coesão social e da cidadania activa.

Contexto

O Conselho Europeu de Lisboa de Março de 2000 reconheceu a importância de desenvolver sistemas de EFP de elevada qualidade, para promover a inclusão social, a coesão, a mobilidade, a empregabilidade e a competitividade.

O Conselho Europeu de Barcelona de Março de 2002 apelou à criação de um processo específico de EFP, que contribuiria para tornar os sistemas de educação e formação europeus uma referência mundial de qualidade até 2010. Em consequência, o Conselho adoptou, em Novembro de 2002, uma resolução sobre a cooperação reforçada em matéria de EFP.

Última modificação: 08.04.2011

Veja também

Web sites da Direcção-Geral da Educação e da Cultura da Comissão Europeia:

  • Ensino e formação profissionais (DE) (EN) (FR)
  • Processo de Copenhaga (DE) (EN) (FR)
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página