RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Educação financeira

A Comissão considera a educação financeira fundamental com vista à constituição de um mercado único e deseja, a esse respeito, incitar os cidadãos europeus a adquirirem os conhecimentos rudimentares em finanças pessoais. A presente comunicação destina-se a definir os princípios de base para programas nacionais de educação financeira de qualidade, bem como a apresentar as iniciativas efectuadas pela União Europeia neste domínio.

ACTO

Comunicação da Comissão de 18 de Dezembro de 2007 relativa à educação financeira [COM(2007) 808 final - Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

Perante o défice de conhecimentos dos consumidores no que se refere aos produtos financeiros e perante o crescimento da escolha e da complexidade destes produtos, a Comissão decidiu promover o desenvolvimento da educação financeira na União Europeia (UE).

Objectivos

A presente comunicação faz parte do pacote de medidas sobre os serviços financeiros para as pequenas operações previstas pelo relatório da Comissão "Um mercado único para a Europa do século XXI", que tem por objectivo ajudar as partes interessadas aquando da elaboração de programas de educação financeira graças a:

  • uma sensibilização para a necessidade de enfrentar o problema da escassa educação financeira;
  • uma educação financeira de elevado nível na UE;
  • uma partilha das melhores práticas;
  • o desenvolvimento de instrumentos práticos para facilitar um melhor ensino da educação financeira nas escolas.

Importância e vantagens económicas e sociais da educação financeira

A educação financeira beneficia os indivíduos (permitindo-lhes, por exemplo, antecipar financeiramente as situações imprevistas), a sociedade (diminuindo os riscos de exclusão financeira e incitando os consumidores a adoptar uma atitude cautelosa e a poupar) e a economia no seu conjunto (favorecendo os comportamentos cuidadosos e a introdução de liquidez nos mercados financeiros).

Dois estudos recentes financiados pela Comissão Europeia revelam, designadamente, que a educação financeira é proposta por um grande número de intervenientes (autoridades de fiscalização, trabalhadores sociais, educação pública, etc.) nos Estados-Membros e que o número de iniciativas nacionais na matéria é muito variável.

A realização de inquéritos de referência empreendidos a nível dos Estados-Membros ajuda a definir as prioridades e facilita o acompanhamento dos progressos no tempo. Por outro lado, vários estudos demonstram as mudanças de comportamento positivas que podem resultar da participação em programas de educação financeira.

Enquadramento da acção comunitária

O domínio da educação constitui uma área da competência dos Estados-Membros. Contudo, a Comunidade pode intervir no quadro de medidas de informação e de educação dos consumidores, bem como pela aplicação de medidas tendentes a apoiar e completar a política levada a cabo pelos Estados-Membros.

Entre as acções já empreendidas, a Comissão instaurou um instrumento de educação online, Dolceta, propondo uma formação em matéria de consumo destinada aos adultos, e a «Agenda Europa», uma brochura informativa destinada aos alunos do ensino secundário.

O Livro Verde de Maio de 2007 sobre os serviços financeiros de retalho sublinhou que é possível envidar mais esforços para incentivar a educação financeira. Isto foi confirmado igualmente pelas respostas ao Livro Verde, em especial no que diz respeito à difusão pela Comissão das melhores práticas e pela adopção de regras comunitárias não vinculativas para ajudar os prestadores de serviços de educação financeira.

Princípios de base para programas de educação financeira de qualidade

A Comissão definiu oito princípios susceptíveis de ajudar as partes interessadas implicadas na difusão de educação financeira aquando da elaboração e da execução de programas de educação financeira:

  • a educação financeira deve estar disponível e ser activamente promovida, numa base contínua, em todas as fases da vida;
  • os programas de educação financeira devem centrar-se de maneira precisa sobre as necessidades dos indivíduos e estar disponíveis em tempo útil e ser facilmente acessíveis;
  • os consumidores devem beneficiar de uma educação em matéria económica e financeira, se possível desde a idade escolar, a qual deve, preferivelmente, ser incluída nos programas gerais das escolas;
  • os programas de educação financeira devem incluir instrumentos gerais destinados a sensibilizar para a necessidade de melhorar o conhecimento das questões e dos riscos financeiros;
  • os programas de educação financeira oferecidos pelos prestadores de serviços financeiros devem ser equilibrados, transparentes e objectivos, devendo responder sempre ao interesse do consumidor;
  • os formadores no domínio financeiro devem beneficiar de uma formação adequada e de recursos necessários;
  • a coordenação nacional entre as partes interessadas deve ser promovida e a cooperação internacional entre os prestadores de educação financeira deve ser reforçada, a fim de facilitar o intercâmbio das melhores práticas;
  • os programas de educação financeira devem ser avaliados regularmente e, se necessário, actualizados.

Iniciativas e assistência prática previstas

É claro que a educação financeira é da responsabilidade dos Estados-Membros, mas a UE pode dar uma ajuda prática importante. Assim, a Comissão identificou as seguintes iniciativas prioritárias:

  • criar um grupo de peritos em educação financeira, que terá por missão, designadamente, promover e partilhar as melhores práticas e aconselhar a Comissão quanto à elaboração da sua política de educação financeira;
  • fornecer um patrocínio (incluindo mensagens de apoio e utilização de logotipos europeus) aos Estados-Membros e aos intervenientes do sector privado para a organização de conferências nacionais e regionais, bem como para quaisquer outras iniciativas tendentes a promover a educação financeira;
  • publicar no Web site da Comissão uma base de dados online dos programas de educação financeira e de investigação sobre a educação financeira na UE, a fim de facilitar a consulta de recursos em matéria de melhores práticas e de investigação neste domínio;
  • desenvolver, a partir de 2008, um novo módulo do programa Dolceta, destinado a formar os professores em matéria de cultura financeira, tendo em vista incitar e ajudar os professores do ensino primário e secundário a incluir questões financeiras no programa geral.

ACTOS RELACIONADOS

Decisão 2008/365/CE da Comissão de 30 de Abril de 2008 que institui um grupo de peritos em educação financeira [Jornal Oficial L 125 de 9.5.2008].
A presente decisão institui um grupo de peritos em educação financeira que tem como missão incentivar melhores práticas neste domínio e dar conselhos à Comissão sobre a aplicação dos princípios enunciados na sua comunicação de 18 de Dezembro de 2007. O grupo é composto por 25 especialistas que representam os sectores público e privado, nomeados pela Comissão para um mandato de três anos, sendo este renovável.

Última modificação: 04.07.2011
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página