RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Quadro coerente de indicadores e valores de referência para avaliar a realização dos objectivos de Lisboa

O quadro de indicadores e valores de referência proposto pela presente comunicação destina-se a assegurar que a realização dos objectivos de Lisboa no domínio da educação e da formação é avaliada. Os progressos alcançados nesta matéria são apreciados na perspectiva de, até 2010, fazer dos sistemas de ensino e de formação europeus uma referência mundial.

ACTO

Comunicação da Comissão, de 21 de Fevereiro de 2007, intitulada “Um quadro coerente de indicadores e valores de referência para avaliar os progressos alcançados na realização dos objectivos de Lisboa no domínio da educação e formação” [COM(2007) 61 final – Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

Os indicadores e valores de referência são necessários para acompanhar os progressos requeridos pelo processo de Lisboa. O quadro actual baseia-se no programa Educação e Formação para 2010 e apresenta-se sob a forma de um conjunto de vinte indicadores essenciais (os indicadores principais), apoiados por indicadores contextuais, e de cinco valores de referência.

Este quadro, que propicia o intercâmbio de experiências e boas práticas, permite:

  • fundamentar do ponto de vista estatístico as principais orientações políticas;
  • analisar a evolução dos objectivos de Lisboa, tanto a nível europeu como a nível nacional;
  • identificar exemplos de bom desempenho que possam ser divulgados nos Estados-Membros;
  • comparar o desempenho da União Europeia (UE) com os de países terceiros como os Estados Unidos e o Japão.

QUADRO DE INDICADORES E VALORES DE REFERÊNCIA

O quadro de indicadores e valores de referência compreende indicadores principais, que têm um carácter geral, e indicadores contextuais, que permitem uma maior precisão.

Os indicadores e valores de referência articulam-se em torno de oito domínios de intervenção principais, definidos na estratégia do programa Educação e Formação para 2010. Esses domínios são os seguintes:

  • melhorar a equidade na educação e formação;
  • promover a eficiência na educação e na formação;
  • fazer da aprendizagem ao longo da vida uma realidade concreta;
  • desenvolver competências-chave entre os jovens;
  • modernizar a educação escolar;
  • modernizar o ensino e a formação profissionais (processo de Copenhaga);
  • modernizar o ensino superior (processo de Bolonha);
  • "empregabilidade".

Melhorar a equidade na educação e formação

Os sistemas europeus de educação e formação devem ser equitativos. A equidade é avaliada à luz do nível a que os indivíduos podem beneficiar da educação e da formação, em termos de oportunidades, acesso, tratamento e resultados. Certas questões essenciais como a promoção da igualdade entre homens e mulheres, a integração das minorias étnicas e a inclusão das pessoas com deficiência devem também ser objecto de avaliação.

Para assegurar uma participação efectiva na aprendizagem ao longo da vida, a proporção de jovens que abandonam precocemente a escola deve diminuir. O Conselho adoptou, por conseguinte, um valor de referência que pretende limitar a 10 % a proporção de jovens que abandonam precocemente a escola.

Os progressos conseguidos neste domínio serão avaliados com base nos seguintes indicadores principais:

  • participação na educação pré-escolar;
  • ensino especial;
  • abandono escolar precoce.

O indicador relativo à estratificação dos sistemas de educação e de formação permitirá, por sua vez, avaliar o impacto da estrutura e da diferenciação institucional dos sistemas de educação e de formação.

Promover a eficiência na educação e na formação

Já foi demonstrado que a melhoria da eficiência não compromete necessariamente a equidade dos sistemas de educação. Eficiência e equidade podem desenvolver-se em sintonia.

A eficiência dos sistemas europeus de educação e formação depende, nomeadamente, de uma melhor exploração dos recursos. Deve apoiar-se o investimento privado e público, assim como o investimento no ensino superior. Este último beneficia, na verdade, de um financiamento menor que o existente noutros países.

A eficiência do investimento será avaliada em função do investimento na educação e na formação.

Fazer da aprendizagem ao longo da vida uma realidade concreta

A aprendizagem ao longo da vida é importante para a competitividade, a empregabilidade, a prosperidade económica, a inclusão social, a cidadania activa e a realização pessoal das pessoas que trabalham numa economia baseada no conhecimento.

A conclusão do ensino secundário é considerada essencial para desenvolver uma carreira profissional e participar plenamente na aprendizagem ao longo da vida. Nesta perspectiva, o Conselho adoptou dois valores de referência, a saber, até 2010, conseguir que uma proporção de 85 % de jovens tenha concluído o ensino secundário e que a taxa de participação da população adulta na aprendizagem ao longo da vida seja de 12,5 %.

Os indicadores principais que permitirão acompanhar os progressos alcançados neste domínio são:

  • a participação dos adultos na aprendizagem ao longo da vida;
  • as competências dos adultos.

Por outro lado, o indicador relativo às taxas de conclusão do ensino secundário pelos jovens permitirá avaliar em que medida os jovens estão preparados para participar na aprendizagem ao longo da vida.

Desenvolver competências-chave entre os jovens

A aquisição de competências básicas é essencial para trabalhar numa sociedade do conhecimento. Daí que o Conselho tenha previsto um valor de referência que visa a redução da percentagem de alunos de 15 anos com baixos resultados na literacia em leitura na UE em pelo menos 20 %, em relação a 2000.

Os indicadores principais que permitirão avaliar globalmente as competências básicas assentam nas seguintes competências-chave:

  • literacia em leitura, matemática e ciências;
  • competências linguísticas;
  • competências no domínio das tecnologias da informação e da comunicação (TIC);
  • competências cívicas;
  • capacidade de aprender a aprender.

Modernizar a educação escolar

A qualidade da educação escolar depende da melhoria da formação inicial dos docentes e da participação de todos eles numa formação contínua. O Conselho considerou igualmente que instrumentos como a autoavaliação escolar são cruciais, sublinhando a necessidade de promover a formação relacionada com a gestão e a utilização desses instrumentos.

Os progressos conseguidos neste domínio serão apreciados com base nos seguintes indicadores principais:

  • abandono escolar precoce;
  • gestão escolar;
  • as escolas como centros de aprendizagem locais polivalentes;
  • desenvolvimento profissional dos professores e formadores.

Modernizar o ensino e a formação profissionais

Em conformidade com o processo de Copenhaga, há que melhorar a imagem e o carácter atractivo da formação profissional aos olhos dos empregadores, aumentar a participação no ensino e na formação profissionais e fomentar a qualidade e a flexibilidade do ensino e da formação profissionais iniciais.

Os progressos conseguidos serão avaliados com base no indicador principal relativo às taxas de conclusão do ensino secundário pelos jovens, devendo prestar-se especial atenção à via profissional.

O nível de acesso a cursos de ensino e de formação profissionais iniciais nos diferentes sistemas de ensino e formação será analisado através do indicador relativo à estratificação dos sistemas de educação e formação.

Além disso, o indicador contextual da participação nos cursos de ensino e formação profissionais contínuos servirá para apreciar o papel das empresas na participação dos seus trabalhadores na formação contínua e no seu financiamento.

Modernizar o ensino superior

A modernização do ensino superior e o reforço do financiamento da investigação universitária contribuirão para o objectivo de que a UE se torne uma economia competitiva e baseada no conhecimento. Além do mais, o processo de Bolonha tem por finalidade criar um Espaço Europeu do Ensino Superior com uma estrutura comum de diplomas até 2010, por forma a facilitar a mobilidade dos estudantes e dos trabalhadores.

Os valores de referência que permitirão avaliar a modernização do ensino superior são o valor de referência que pretende afectar pelo menos 2 % do PIB (incluindo financiamento público e privado) à referida modernização até 2015 e o valor de referência europeu que prevê um aumento de 15 % no número de licenciados em matemática, ciências e tecnologias até 2010.

Os progressos serão apreciados com a ajuda dos seguintes três indicadores principais:

  • número de licenciados;
  • mobilidade transnacional de estudantes do ensino superior;
  • investimento na educação e na formação.

"Empregabilidade"

A fim de vencer o desafio da consecução de um melhor nível de emprego, o Conselho estabeleceu objectivos relativos às taxas de emprego globais, às taxas de emprego dos trabalhadores mais velhos e às taxas de emprego das mulheres.

A empregabilidade e a adaptabilidade de um indivíduo ao longo da vida dependem do seu nível de educação e das suas competências-chave.

Os indicadores utilizados no que se refere à empregabilidade são:

  • o nível de educação da população;
  • as competências dos adultos;
  • os reingressos nos sistemas de educação e formação.

FONTES DOS DADOS QUE SUSTENTAM O QUADRO COERENTE

O quadro de indicadores e valores de referência baseia-se em dados que provêm sobretudo do Sistema Estatístico Europeu (SEE).

Dados fornecidos pelo SEE

A nível do SEE, várias são as fontes utilizadas para produzir dados sobre a educação e a formação e definir indicadores. Essas fontes podem classificar-se em dois grupos.

O primeiro grupo abrange a recolha anual de dados UNESCO (EN)/OCDE (EN) (FR) /Eurostat (DE) (EN) (FR) (UOE) sobre os sistemas oficiais de ensino nos Estados-Membros, os inquéritos quinquenais sobre a formação profissional contínua (CVTS), que servem para recolher informações sobre a formação a nível das empresas, e os inquéritos quinquenais sobre a educação de adultos (AES), com informação sobre os padrões de aprendizagem dos adultos.

O segundo grupo compreende fontes de informação de carácter geral como o Inquérito às Forças de Trabalho (LFS) e o Inquérito da UE ao Rendimento e às Condições de Vida (SILC). Existem ainda outras fontes específicas (inquéritos sobre a utilização das TIC nas famílias e nas empresas).

A obtenção de dados comparáveis à escala internacional reveste-se de interesse a nível nacional. Diversos países desenvolvem, por conseguinte, infra-estruturas estatísticas para ficarem mais aptos a produzir informações sobre as escolas e os alunos cujos trabalhos são acompanhados pela UE.

Dados produzidos fora do SEE

O SEE não pode assegurar toda a infra-estrutura estatística necessária ao quadro de indicadores e valores de referência. A rede Eurydice e o Cedefop, em colaboração com o Eurostat, elaboram dados e indicadores contextuais que servem de apoio a este quadro.

Por outro lado, a Comissão pode ser levada a apresentar, por sua iniciativa, modalidades para o desenvolvimento de ferramentas de recolha de dados, por exemplo, em matéria de competências linguísticas. Preparou, além do mais, uma recomendação sobre o desenvolvimento de um instrumento de inquérito no domínio da capacidade de aprender a aprender e está previsto para 2007 um inquérito-piloto transnacional.

A Comissão coopera igualmente com organizações internacionais como a OCDE, que elaboram os seus próprios indicadores, ou com os Estados-Membros.

CONTEXTO

Em 2002, os Chefes de Estado e de Governo acordaram em, até 2010, fazer dos sistemas de ensino e de formação europeus uma referência mundial. No âmbito da Estratégia de Lisboa, os Ministros da Educação adoptaram objectivos comuns para melhorar os sistemas de educação e formação. O programa de trabalho «Educação & Formação para 2010» foi criado para atingir esses objectivos.

O quadro coerente de indicadores e valores de referência referido na presente comunicação deve permitir avaliar os progressos alcançados. Substitui o quadro estabelecido para o período de 2004-2006, apresentando um carácter mais racionalizado e condensado. Com efeito, o quadro para o período de 2004-2006 compunha-se de vinte e nove indicadores e cinco valores de referência para medir os progressos conseguidos relativamente aos treze objectivos então definidos.

ACTOS RELACIONADOS

Recomendação do Parlamento Europeu e do Conselho, de 18 de Junho de 2009, sobre a criação de um Quadro de Referência Europeu de Garantia da Qualidade para o Ensino e a Formação Profissionais [Jornal Oficial C 155 de 8.7.2009].

Regulamento (CE) n.º 452/2008 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 23 de Abril de 2008 , relativo à produção e ao desenvolvimento de estatísticas sobre educação e aprendizagem ao longo da vida [Jornal Oficial L 145 de 4.6.2008].

Comunicação da Comissão ao Conselho e ao Parlamento Europeu, de 3 de Agosto de 2007 – “Melhorar a qualidade dos estudos e da formação dos professores [COM(2007) 392 final – Não publicada no Jornal Oficial].

Recomendação 2006/962/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 18 de Dezembro de 2006, sobre as competências chave para a aprendizagem ao longo da vida [Jornal Oficial L 394 de 30.12.2006].

Comunicação da Comissão ao Conselho e ao Parlamento Europeu, de 8 de Setembro de 2006, intitulada “Eficiência e equidade nos sistemas europeus de educação e formação” [COM(2006) 481 final – Não publicada no Jornal Oficial].

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões, de 20 de Outubro de 2005, intitulada “Os valores europeus no contexto da globalização – Contribuição da Comissão para a reunião de Outubro dos Chefes de Estado e de Governo” [COM (2005) 525 final – Não publicada no Jornal Oficial].

Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões, de 12 de Outubro de 2005, intitulada “Mais Investigação e Inovação – Investir no Crescimento e no Emprego – Uma Abordagem Comum” [COM(2005) 488 final – Jornal Oficial C 49 de 28.2.2006].

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho, de 1 de Agosto de 2005, intitulada “Indicador Europeu de Competência Linguística” [COM(2005) 356 final – Não publicada no Jornal Oficial].

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho, de 25 de Maio de 2005, sobre a independência, a integridade e a responsabilidade das autoridades estatísticas nacionais e comunitárias [COM(2005) 217 final – Não publicada no Jornal Oficial].

Comunicação da Comissão, de 20 de Abril de 2005, intitulada “Mobilizar os recursos intelectuais da Europa: criar condições para que as universidades dêem o seu pleno contributo para a Estratégia de Lisboa” [COM(2005) 152 final – Não publicada no Jornal Oficial].

Comunicação da Comissão, de 10 de Janeiro de 2003, intitulada “Investir eficazmente na educação e na formação: um imperativo para a Europa” [COM(2002) 779 final – Não publicada no Jornal Oficial].

Comunicação da Comissão, de 20 de Novembro de 2002, intitulada “Parâmetros de referência europeus para a educação e a formação: seguimento do Conselho Europeu de Lisboa” [COM(2002) 629 final – Não publicada no Jornal Oficial].

Resolução do Conselho, de 27 de Junho de 2002, sobre a aprendizagem ao longo da vida [Jornal Oficial C 163 de 9.7.2002].

Recomendação do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 de Fevereiro de 2001, sobre a cooperação europeia em matéria de avaliação da qualidade do ensino básico e secundário [Jornal Oficial L 60 de 1.3.2001].

 
Última modificação: 16.08.2010
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página