RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Investir eficazmente na educação e na formação

A presente comunicação pretende propor uma utilização mais eficaz dos investimentos na educação e formação na Europa. Além disso, propõe aos Estados-Membros criar parcerias e promover incentivos a um crescimento constante dos investimentos das empresas e dos indivíduos.

ACTO

Comunicação da Comissão, de 10 de Janeiro de 2003 - Investir eficazmente na educação e na formação: um imperativo para a Europa [COM(2002) 779 final - Não publicado no Jornal Oficial].

SÍNTESE

Para que os sistemas de educação e formação possam desempenhar um papel decisivo na consecução do objectivo estratégico fixado no Conselho Europeu de Lisboa - tornar a União Europeia (UE) na economia do conhecimento mais competitiva e dinâmica do mundo - os Estados-Membros são convidados a investir recursos suficientes que deverão ser aplicados e geridos com a máxima eficácia.

Num contexto internacional extremamente competitivo e dinâmico, a política de investimento na educação e na formação deve ter em conta as novas exigências da sociedade do conhecimento. Presentemente, a UE denota um certo atraso em relação aos Estados Unidos, traduzido sobretudo na sua incapacidade para atrair e conservar os talentos na Europa. A diferença de produtividade entre a UE e os Estados Unidos não cessa de aumentar. Para inverter essa tendência são necessários investimentos suplementares, tanto na investigação e desenvolvimento e nas tecnologias da informação e comunicação (TIC), como no conjunto do sistema europeu de educação e formação.

Realizar um aumento substancial do nível total de investimentos na educação

É inegável que a Europa sofre de um investimento insuficiente em recursos humanos. Embora os países da UE consagrem em média, tal como os Estados Unidos, um pouco mais de 5 % do PIB às despesas públicas de educação e formação, continua a verificar-se um défice evidente a nível do financiamento privado. Sabendo-se que, no modelo social europeu, o financiamento privado sempre foi considerado um complemento e não um substituto dos financiamentos públicos, é indispensável o aumento desse financiamento, face aos novos desafios da mundialização.

O nível do financiamento privado da educação e da formação revela uma diferença capital, incessantemente agravada, entre a UE e os Estados Unidos. As despesas privadas consagradas aos estabelecimentos de ensino pouco aumentaram na UE desde 1995 (de 0,55 % a 0,66 % do PIB, aproximadamente), enquanto se observa praticamente o dobro no Japão (cerca de 1,2 % do PIB) e cerca do triplo nos Estados Unidos (1,6 %).

Esse défice é sobretudo evidente em domínios essenciais para a economia do conhecimento, como o ensino superior, a educação de adultos e a formação profissional contínua. No total, a UE investe no ensino superior significativamente menos do que os Estados Unidos, que gastam mais do dobro por estudante do que a União Europeia. Relativamente ao PIB, a UE afecta em média ao ensino superior apenas 1,1 %, contra 2,3 % nos Estados-Unidos. Neste domínio, a diferença de financiamento é ainda mais acentuada do que na investigação e desenvolvimento (I&D), situando-se os valores em 1,9 % do PIB na UE contra 2,7 % nos Estados Unidos. São as universidades europeias que sofrem as consequências.

Outro domínio com necessidade premente de investimentos privados mais importantes é a formação profissional contínua e a educação de adultos, que regista ainda profundas diferenças entre ambos os países. Só 40 % dos assalariados europeus participam em cursos de formação profissional contínua (23 % nas PME) e apenas 62 % de todas as empresas fornecem algum tipo de formação ao seu pessoal (56 % nas PME).

Ainda que no modelo social europeu as fontes privadas provenientes de empresas e de particulares constituam um complemento do financiamento público, a situação actual exige novos investimentos públicos especificamente orientados e despesas privadas mais elevadas em complemento dos financiamentos públicos. Esse facto representa um desafio muito especial para vários novos Estados-Membros, devido às suas restrições orçamentais e à elevada proporção das despesas públicas já afectada à educação formal.

Optimizar a utilização dos recursos existentes num contexto europeu

Para obter a máxima eficácia dos subsídios financeiros, a presente comunicação solicita igualmente aos Estados-Membros que combatam as áreas de ineficácia das despesas, como as elevadas taxas de insucesso escolar, o abandono prematuro dos estudos, o desemprego dos licenciados, a duração excessiva dos estudos, o baixo nível dos conhecimentos, e propõe que a atenção incida na formação do pessoal docente, nas novas competências de base, na aprendizagem ao longo da vida, nas TIC, na cidadania activa e na informação.

Quanto à forma de mobilizar recursos humanos e financeiros suplementares, a comunicação sublinha a importância de criar uma abordagem de parceria com as empresas e os indivíduos. Esse processo efectuar-se-á graças a uma gestão mais eficaz dos recursos existentes e a uma descentralização a nível regional da gestão dos recursos e dos programas. Essa descentralização, em paralelo com uma maior coordenação entre os ministérios nacionais, deverá evidentemente respeitar a dimensão europeia das decisões de investimento.

Finalmente, a fim de permitir que a educação e a formação desempenhem um papel preponderante na Estratégia Europeia de Emprego e na Estratégia de Lisboa, a presente comunicação convida os Estados-Membros a:

  • Fornecer o nível de investimentos públicos exigido pelo modelo social europeu.
  • Criar parcerias e promover incentivos a um crescimento constante dos investimentos das empresas e dos indivíduos.
  • Concentrar os financiamentos nos domínios mais susceptíveis de produzir resultados.
  • Lançar reformas em matéria de cursos, qualidade e reconhecimento, por forma a maximizar a sua eficácia no contexto europeu.

Contexto

No âmbito do programa de trabalho pormenorizado sobre os objectivos dos sistemas de educação e formação, entre os quais se inclui o objectivo da optimização da utilização dos recursos, a presente comunicação trata da questão do investimento na educação e na formação, numa perspectiva que incide predominantemente nos aspectos relativos à investigação, à aprendizagem ao longo da vida e ao emprego.

ACTOS RELACIONADOS

Comunicação da Comissão de 20 de Abril de 2005 - Mobilizar os recursos intelectuais da Europa : Criar condições para que as universidades dêem o seu pleno contributo para a Estratégia de Lisboa [COM(2005) 152 final - Não publicada no Jornal Oficial].

Comunicação da Comissão, de 5 de Fevereiro de 2003 - O papel das universidades na Europa do conhecimento [COM(2003) 58 final - Não publicada no Jornal Oficial].

Última modificação: 11.05.2006
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página