RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Reforçar a cooperação com os países terceiros no ensino superior

A estratégia da União Europeia (UE) em matéria de cooperação com os países terceiros no domínio do ensino identifica dois objetivos principais: a formação de recursos humanos de elevada qualidade nos países parceiros e na União e a promoção da UE enquanto centro de excelência a nível mundial no domínio dos estudos, da formação, bem como da investigação científica e tecnológica.

ATO

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho, de 18 de julho de 2001, relativa ao reforço da cooperação com os países terceiros em matéria de ensino superior [COM(2001) 385 final –Não publicado no Jornal Oficial].

SÍNTESE

No âmbito do desenvolvimento do ensino superior, e em resposta à procura sempre crescente de um ensino internacional e de mobilidade de estudantes, a Comissão apela a um esforço suplementar a nível europeu para reforçar a cooperação com os países terceiros.

De acordo com esta nova perspetiva, a União Europeia (UE) deverá:

  • garantir que as suas atividades de ensino contemplem a dimensão internacional de forma mais sistemática;
  • dar maior visibilidade à sua ação neste domínio a fim de atrair os estudantes de países terceiros.

Neste contexto, a comunicação da Comissão propõe uma estratégia global e identifica princípios concretos de intervenção.

Formas de intervenção propostas

A Comissão pretende tirar partido da experiência adquirida com os programas aplicados na UE, designadamente o programa Erasmus. Insiste também para que os acordos concluídos com países não membros da UE em matéria de educação sejam diferenciados em função dos países, ou mesmo das regiões.

A comunicação prevê uma cooperação baseada em redes e parcerias multilaterais que associem países com um sistema de ensino superior de nível comparável ao ministrado nos estabelecimentos de ensino europeus, por forma a que as universidades interessadas possam chegar a acordo sobre:

  • as modalidades de intercâmbio de estudantes e professores. O desenvolvimento do ensino à distância e a generalização das tecnologias da informação deverão igualmente contribuir para o reforço das parcerias internacionais;
  • o conteúdo teórico dos cursos a ministrar aos estudantes que beneficiam de intercâmbios;
  • os mecanismos de reconhecimento dos trabalhos efetuados pelas universidades de origem e de acolhimento, com base no modelo do Sistema Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) (DEENFR), que representa atualmente a norma europeia em matéria de ensino superior;
  • as disposições relativas à assistência aos estudantes durante o período de estudos no estrangeiro. A Comissão propõe aumentar o número de bolsas de longa duração concedidas aos estudantes de países terceiros.

São de evitar:

  • intercâmbios fora das parcerias entre instituições universitárias que limitem as vantagens para os estabelecimentos e a partilha da experiência adquirida;
  • intercâmbios que não impliquem o regresso ao país de origem, sendo portanto suscetíveis de provocar uma «fuga de cérebros».

Para que a cooperação com os países terceiros seja realmente eficaz, não basta apenas os intercâmbios de estudantes. Estes devem ser acompanhados de intercâmbios de docentes, bem como da aplicação de programas comuns e de mecanismos de reconhecimento do ensino frequentado no estrangeiro.

A Comissão propõe lançar, em colaboração com os Estados-Membros, uma operação comum destinada a promover a UE enquanto centro de excelência em matéria de aprendizagem no mundo. Neste sentido, a Comissão sugere também o reforço dos estudos europeus no mundo, alargando a rede dos centros de estudos sobre a União Europeia e as cátedras Jean Monnet (posições de ensino especializadas no estudo da integração europeia) ao mundo inteiro.

A Comissão lança também a ideia de incitar as instituições universitárias a organizar «pacotes» de ensino genuinamente europeu, criando, por exemplo, cursos comuns que permitam aos estudantes de outros continentes e da Europa efetuar mais de um ano académico de estudos em vários Estados-Membros. Esses cursos poderiam eventualmente culminar em diplomas comuns.

A Comissão anuncia uma ação concreta no imediato, no âmbito do programa Alfa, com vista a estabelecer um programa-piloto de bolsas destinadas aos professores e estudantes do nível da pós-graduação originários da América Latina.

Contexto

Os Estados-Membros desenvolveram progressivamente uma sólida tradição de cooperação bilateral com os países terceiros em matéria de educação. Por sua vez, a UE lançou também uma série de iniciativas com os países terceiros, como os programas de cooperação com os Estados Unidos e o Canadá, ou ainda os programas Tempus (DE) (EN) (FR), Alfa e Erasmus Mundus.

Última modificação: 09.11.2011

Veja também

  • Cooperação internacional em matéria de educação e formação (DE) (EN) (FR)
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página