RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Orientações gerais das políticas económicas (1999)

Arquivos

1) OBJECTIVO

Assegurar o crescimento económico e a criação de emprego a um nível elevado e sustentável, pelo recurso a uma estratégia global e coerente, abrangendo políticas macroeconómicas sãs e políticas que visem o aumento da capacidade de adaptação.

2) ACTO

Recomendação do Conselho, de 12 de Julho de 1999, sobre as orientações gerais das políticas económicas dos Estados-Membros e da Comunidade [Jornal Oficial L 217 de 17.08.1999].

3) SÍNTESE

A introdução do euro, em 1 de Janeiro de 1999, constitui um marco importante no processo de integração europeia. É, simultaneamente, necessário fazer face aos novos desafios, uma vez que a situação económica e social de cada um dos Estados-Membros será profundamente influenciada pela evolução das condições e das políticas económicas nos Estados-Membros parceiros. O êxito duradouro da União Económica e Monetária exigirá disciplina por parte de todos os protagonistas da política económica, incluindo os parceiros sociais, bem como o aprofundamento e o reforço da coordenação política. Estabeleceu-se um novo quadro institucional favorável ao crescimento, ao emprego e à estabilidade dos preços, e foram reforçados os instrumentos de controlo e coordenação. Neste momento, torna-se fundamental colocá-los em funcionamento.

Desde o Verão de 1998, registou-se uma quebra na retoma da economia comunitária, o que se deve à crise mundial. Espera-se que, graças a sólidas bases económicas e a políticas económicas propícias à instauração de confiança, a actividade económica readquira o seu dinamismo e acelere de modo a ultrapassar a sua taxa potencial em 2000, num contexto de inflação baixa. No respeitante ao nível de desemprego, ainda que a taxa de emprego continue a ser relativamente baixa, o ritmo de criação de postos de trabalho foi intensificado e, em 1998, a taxa de desemprego situou-se abaixo dos 10 %. Os países que conjugaram políticas macroeconómicas sólidas com reformas estruturais são aqueles que mais melhorias registaram nos seus resultados. É, assim, necessário reforçar o investimento em infra-estruturas e formação profissional, a fim de acelerar o desenvolvimento dos sectores da economia assentes na alta tecnologia.

A criação, a médio prazo, de condições favoráveis a um crescimento económico e a um nível elevado e sustentável de emprego passará pela adopção de uma estratégia global e coerente, integrando três elementos fundamentais:

  • politícas macroeconómicas sãs que respeitem a estabilidade dos preços em plena coordenação com a fixação salarial;
  • politícas que melhorem o funcionamento global dos mercados de trabalho;
  • reformas económicas que promovam a eficiência e a flexibilidade dos mercados de bens, de serviços e de capitais.

Todos os protagonistas da política económica são co-responsáveis por um crescimento sinérgico, não inflacionista e baseado no investimento. Todos os protagonistas deverão estar atentos para que a UE possa beneficiar de uma evolução salarial adequada, finanças públicas sãs, reformas económicas e uma política monetária orientada para a estabilidade. Espera-se que o Pacto Europeu para o Emprego () defina o processo mediante o qual todos os protagonistas políticos iniciarão um diálogo com vista a atingir o principal objectivo económico e social da União Europeia, a saber, um elevado nível de emprego, no âmbito de um crescimento vigoroso e sustentado a médio prazo. De facto, um projecto desta dimensão exige uma coordenação tanto ao nível nacional como ao nível europeu. Ao nível europeu, será mesmo necessário reforçar o dialogo entre a Comissão, o Conselho, o Banco Central Europeu (BCE) e os parceiros sociais.

A dosagem das políticas macroeconómicas favoráveis ao crescimento, ao emprego e à estabilidade na zona do euro deverá ter em conta os esforços realizados no âmbito das políticas orçamentais, da evolução salarial e das políticas estruturais. É, pois, necessário levar por diante o processo de consolidação orçamental. Tal irá criar a margem de manobra necessária para fazer frente a uma eventual conjuntura desfavorável e reduzirá a vulnerabilidade dos orçamentos face à subida das taxas de juro, permitindo que as finanças públicas e as taxas de juro favoreçam mais o crescimento e a criação de emprego e preparará os países para enfrentar os desafios orçamentais, associados ao envelhecimento da população, a mais longo prazo. Os Estados são convidados a:

  • melhorar a situação orçamental, previligiando a contenção de despesas em detrimento de aumentos dos impostos;
  • assegurar a eficiência das suas finanças públicas (reforma do sistema de pensões, investimento no capital humano, redução da carga fiscal global, reforço da coordenação fiscal a nível comunitário).

Espera-se que os países candidatos à adesão conduzam as suas políticas monetárias e orçamentais de modo a manter ou melhorar a sua convergência em matéria de inflação e de situação orçamental, em preparação para a adopção do euro. A Grécia e a Dinamarca têm obrigatoriamente de respeitar o critério das taxas de câmbio, uma vez que participam no novo mecanismo de taxas de câmbio (MTC II).

A zona do euro deverá assumir responsabilidades à escala mundial, deverá ter uma só voz e ser representada de forma eficaz.

Relativamente à situação económica em cada Estado-Membro, em particular, é necessário identificar os pontos débeis e encontrar as políticas adequadas (macroeconómicas, estruturais) para os combater. A situação é a seguinte para cada um dos países.

Em 1999, o crescimento da economia belga abrandará até atingir a sua taxa tendencial, a um ritmo que deverá permitir a diminuição do desemprego.

Em 1999, é provável que o crescimento da economia dinamarquesa abrande. A actividade económica está atingir os seus limites de capacidade e sob o efeito das medidas orçamentais contracíclicas adoptadas ao nível da administração central. O desemprego deverá permanecer no seu nível actual.

Na Alemanha, a economia está sujeita a um importante abrandamento. Esta situação deve-se ao facto de a economia estar, em geral, mais exposta à medíocre situação conjuntural do comércio internacional, bem como a vários outros factores especificamente nacionais (por exemplo, a depressão que se regista ao nível da actividade no sector da construção). Esta situação põe, assim, em risco o processo de diminuição do desemprego, que se havia iniciado.

A economia grega tem registado um forte crescimento durante os últimos anos, esperando-se um eventual abrandamento em 1999, mas de carácter moderado. Prevê-se que o desemprego vá diminuindo de uma forma gradual.

Espera-se que a economia espanhola continue a crescer, apesar de se ter registado uma ligeira desaceleração em relação aos anos anteriores. Prevê-se uma diminuição da taxa de desemprego, que se mantém a um nível muito elevado.

Em 1999, o crescimento da economia em França irá abrandar, para se aproximar da sua taxa tendencial. Espera-se que o desemprego continue a diminuir, mas a um ritmo menos rápido.

Prevê-se que a economia irlandesa continue a registar um crescimento bastante rápido em 1999, embora a um ritmo um pouco menos elevado do que nos dois anos anteriores. O desemprego deverá continuar a baixar a um ritmo significativo.

A Itália continua a registar um modesto crescimento económico, com uma procura externa e interna que carece de vitalidade e sem qualquer redução significativa no desemprego.

No Luxemburgo, em 1999, a actividade realizar-se-á a um ritmo inferior ao registado em 1998. A taxa de emprego é bastante elevada.

Após vários anos de forte expansão, a economia holandesa deverá abrandar em 1999. Espera-se que a taxa de desemprego, já baixa, volte a registar uma descida.

A situação da Áustria é semelhante à dos Países Baixos.

Apesar de o crescimento económico em Portugal dever abrandar, manter-se-á próximo da sua taxa tendencial, devendo permitir um novo declínio do desemprego.

Em 1999, a economia finlandesa deverá registar um abrandamento, esperando-se todavia que o desemprego continue a diminuir.

A situação da Suécia assemelha-se à da Finlândia.

O crescimento económico no Reino Unido deverá baixar em 1999, acompanhado de um aumento progressivo do desemprego.

No que diz respeito à política orçamental, os esforços realizados pelos Estados-Membros aquando da elaboração do Pacto de Estabilidade obtiveram um resultado positivo no caso da Dinamarca, da Irlanda e da Suécia. Contudo, a maioria dos Estados-Membros deverá estar atenta à sua política orçamental (Bélgica, Alemanha, Grécia, Espanha, França, Itália, Portugal). Os restantes países deverão prestar especial atenção às suas despesas, de modo a preservarem o equilíbrio global das suas finanças públicas. Em determinados Estados-Membros (Finlândia) começam a manifestar-se os primeiros sinais de envelhecimento da população, o que exigirá uma adaptação das despesas sociais destinadas aos pensionistas.

A transposição de directivas do Mercado Único parece colocar dificuldades à maioria dos Estados-Membros (Bélgica, Grécia, Espanha, França, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Países-Baixos, Áustria, Portugal e Reino Unido). No caso de vários Estados-Membros, parece existir alguma hesitação quanto a aceitar completamente a política de liberalização em certos domínios, tais como as telecomunicações, transportes, correio e energia. Espera-se que prossigam e intensifiquem os seus os esforços.

Na Alemanha, Grécia, França, Itália, Áustria, Portugal e Reino Unido, torna-se necessário realizar um esforço no domínio da inovação; cabe aos Estados-Membros aliviar os entraves administrativos à criação de novas empresas.

Espera-se que determinados Estados-Membros (Espanha, Luxemburgo, Portugal, Itália, Irlanda, França) adaptem a sua legislação nacional de modo a corresponder às exigências comunitárias no domínio do direito da concorrência.

No que diz respeito ao nível de emprego na União Europeia, o Reino Unido apresenta os resultados mais encorajadores. Este facto fica a dever-se a uma política de emprego assente numa grande flexibilidade. As taxas de emprego na Bélgica, Grécia, França e Itália são muito baixas e, no caso de Espanha, extremamente baixas. É necessário organizar programas de formação que tenham como objectivo os desempregados de longa duração e a sua inserção no mercado de trabalho. Estes esforços deverão ser acompanhados de reduções de impostos sobre os rendimentos, incitando a entrada de pessoas no mundo do trabalho.

4) MEDIDAS DE APLICAÇÃO

5) TRABALHOS POSTERIORES

Última modificação: 25.10.2002
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página