RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Supervisão das políticas orçamentais

O presente regulamento tem por objetivo a supervisão e a coordenação das políticas orçamentais dos Estados-Membros. Trata-se de medidas preventivas destinadas a assegurar a disciplina orçamental necessária para o bom funcionamento da União Europeia. O regulamento diz respeito tanto aos Estados-Membros que adotaram a moeda única como aos que ainda não participam.

ATO

Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7 de julho de 1997, relativo ao reforço da supervisão das situações orçamentais e à supervisão e coordenação das políticas económicas [Ver atos modificativos].

SÍNTESE

O presente regulamento constitui a vertente preventiva do Pacto de Estabilidade e Crescimento. Tem por objetivo a supervisão e a coordenação das políticas orçamentais dos Estados-Membros, a fim de garantir, preventivamente, a disciplina orçamental na União Europeia.

Para esse efeito, o regulamento prevê um Semestre Europeu no início de cada ano para ajudar os Estados-Membros a implementar políticas orçamentais sólidas. Os Estados-Membros devem apresentar à Comissão programas de estabilidade (para os Estados-Membros que participam no euro) e programas de convergência (para os Estados-Membros que não fazem parte da área do euro), nos quais devem adotar um objetivo orçamental de médio prazo. Esses programas são avaliados pela Comissão e são objeto de recomendações do Conselho, específicas a cada Estado.

Semestre Europeu para a coordenação das políticas económicas

O Semestre Europeu é um período de seis meses durante o qual as políticas orçamentais dos Estados-Membros são examinadas.

No início do Semestre, o Conselho identifica os grandes desafios económicos da União Europeia (UE) e fornece aos Estados-Membros orientações estratégicas sobre as políticas a seguir.

Tendo em conta essas orientações, os Estados-Membros definem:

No termo do Semestre Europeu e após a avaliação destes programas, o Conselho formula recomendações a cada Estado-Membro. Com base no parecer da Comissão, o Conselho presta assim aconselhamento antes de os Estados-Membros ultimarem os seus orçamentos para o ano seguinte.

Objetivos orçamentais de médio prazo

Cada Estado-Membro tem um objetivo de défice de médio prazo relativo à sua situação orçamental, definido em termos estruturais. Os objetivos de médio prazo variam consoante os Estados-Membros: tornam-se mais exigentes quando o nível da dívida e o custo estimado do envelhecimento da população são elevados.

Os objetivos de médio prazo situam-se, para os Estados-Membros que adotaram o euro e para os Estados-Membros que participam no MTC II, acima de - 1 % do PIB. O objetivo de médio prazo de um Estado-Membro pode ser revisto, quando é aplicada uma reforma estrutural importante ou de três em três anos aquando da publicação de projeções que permitam uma atualização do custo estimado do envelhecimento da população.

Supervisão multilateral: programas de estabilidade e de convergência

Os programas de estabilidade e de convergência servem de base para a supervisão multilateral do Conselho da UE. Prevista no artigo 121.º do Tratado sobre o Funcionamento da UE, esta supervisão deve evitar, numa fase precoce, a ocorrência de défices excessivos das administrações públicas e promover a coordenação das políticas económicas.

Cada Estado-Membro apresenta, ao Conselho da UE e à Comissão, um programa de estabilidade (para os Estados-Membros que participam no euro) ou de convergência (para os Estados-Membros que não fazem parte da área do euro).

Os programas de estabilidade ou convergência incluem:

  • o objetivo orçamental de médio prazo, bem como a trajetória de ajustamento conducente ao objetivo fixado para o saldo das administrações públicas expresso em percentagem do PIB, a trajetória prevista do rácio da dívida pública, a trajetória de crescimento planeada das despesas públicas, a trajetória de crescimento planeada das receitas públicas numa política inalterada e uma quantificação das medidas de planeamento discricionário das receitas. Além disso, os programas de convergência enunciam as relações entre estes objetivos e a estabilidade dos preços e das taxas de câmbio, bem como os objetivos de médio prazo da política monetária;
  • as informações sobre os passivos implícitos, ligados ao envelhecimento e aos contingentes (como as garantias públicas), com impacto potencialmente forte nas contas da administração pública;
  • as informações sobre a coerência do programa com as orientações gerais para as políticas económicas e os programas nacionais de reforma;
  • as principais hipóteses relativas às perspetivas económicas suscetíveis de influenciar a realização dos programas de estabilidade e de convergência (crescimento, emprego, inflação e outras variáveis importantes);
  • uma avaliação e uma análise pormenorizada das medidas orçamentais e das outras medidas de política económica adotadas ou consideradas pertinentes para a realização dos objetivos do programa;
  • uma análise da incidência de qualquer alteração das principais hipóteses económicas na situação orçamental e na dívida;
  • se for caso disso, as razões de um eventual desvio em relação à trajetória de ajustamento necessária para a realização do objetivo orçamental de médio prazo.

Os programas de estabilidade ou convergência são apresentados anualmente durante o mês de abril e são publicados pelos Estados-Membros.

Exame dos programas de estabilidade e de convergência

Com base nas avaliações efetuadas pela Comissão e pelo Comité Económico e Financeiro, o Conselho examina os objetivos orçamentais de médio prazo apresentados pelos Estados-Membros nos seus programas. Verifica nomeadamente se:

  • o objetivo orçamental de médio prazo se baseia em hipóteses económicas realistas;
  • as medidas adotadas ou propostas são suficientes para atingir do objetivo orçamental;
  • o Estado-Membro em causa, aquando da avaliação da trajetória de ajustamento, procede à melhoria anual do seu saldo orçamental, tendo em conta as variações conjunturais;
  • o crescimento anual das despesas públicas do Estado-Membro em causa não é demasiado elevado, ou seja, não excede uma taxa de referência a médio prazo.

Aquando das suas avaliações, o Conselho tem em conta a execução das reformas estruturais importantes, especialmente as reformas dos sistemas de pensões.

O Conselho procede ao exame do programa no prazo de três meses a contar da data da sua apresentação. O Conselho, deliberando sob recomendação da Comissão e após consulta do Comité Económico e Financeiro, emite um parecer sobre o programa e pode convidar o Estado-Membro em causa a ajustar o respetivo programa se considerar que os seus objetivos e o seu conteúdo devem ser reforçados.

Evitar a ocorrência de um défice excessivo: mecanismo de alerta precoce

No âmbito da supervisão multilateral, o Conselho acompanha a execução dos programas de estabilidade e de convergência com base nas informações fornecidas pelos Estados-Membros e nas avaliações da Comissão e do Comité Económico e Financeiro.

Assim, se identificar um desvio significativo em relação ao objetivo orçamental de médio prazo ou em relação à trajetória de ajustamento que deve conduzir à realização deste objetivo, a Comissão deve dirigir ao Estado-Membro em causa uma advertência. Se, no prazo de um mês, a situação se mantiver inalterada, o Conselho deve formular recomendações ao Estado-Membro em causa, a fim de impedir a ocorrência de um défice excessivomecanismo de alerta precoce», artigo 121.°, n.º 4, do Tratado sobre o Funcionamento da UE).

Para além disso, as recomendações adotadas no Conselho podem ser tornadas públicas.

Contexto

O Pacto de Estabilidade e Crescimento é um conjunto de regras que criam uma supervisão económica e orçamental a nível europeu e tem por objetivo garantir a estabilidade económica e financeira da UE.

Os Estados-Membros devem, por conseguinte, conduzir políticas orçamentais sólidas a fim de impedir a ocorrência de défices públicos excessivos que poderiam colocar em perigo a estabilidade económica e financeira da UE.

Em 2011, o Pacto de Estabilidade e Crescimento foi objeto de uma grande reforma. As novas medidas adotadas constituem uma etapa importante para garantir a disciplina orçamental, favorecer a estabilidade da economia europeia e prevenir uma nova crise na União.

Assim, o Pacto de Estabilidade e Crescimento reúne agora seis atos legislativos que entraram em vigor em 13 de dezembro de 2011:

  • o Regulamento (UE) n.º 1173/2011 relativo ao exercício eficaz da supervisão orçamental na área do euro;
  • o Regulamento (UE) n.º 1174/2011 relativo às medidas de execução destinadas a corrigir os desequilíbrios macroeconómicos excessivos na área do euro;
  • o Regulamento (UE) n.º 1175/2011 que altera o presente regulamento relativo aos procedimentos de supervisão das situações orçamentais;
  • o Regulamento (UE) n.º 1176/2011 sobre prevenção e correção dos desequilíbrios macroeconómicos;
  • o Regulamento (UE) n.º 1177/2011 que altera o procedimento relativo aos défices excessivos;
  • a Diretiva n.º 2011/85/UE que estabelece requisitos aplicáveis aos quadros orçamentais dos Estados-Membros.

REFERÊNCIAS

AtoEntrada em vigorPrazo de transposição nos Estados-MembrosJornal Oficial

Regulamento (CE) n.º 1466/97

1.7.1998

-

JO L 209 de 2.8.1997

Ato(s) modificativo(s)Entrada em vigorPrazo de transposição nos Estados-MembrosJornal Oficial

Regulamento (CE) n.º 1055/2005

27.7.2005

-

JO L 174 de 7.7.2005

Regulamento (UE) n.º 1175/2011

13.12.2011

-

JO L 306 de 23.11.2011

 
Última modificação: 06.01.2012

Veja também

Para informações complementares, consultar o sítio Web da Direção-Geral dos Assuntos Económicos e Financeiros:

Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página