RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Orientações gerais para as políticas económicas (2008- 2010)

Arquivos

O potencial de estabilidade e de crescimento económico da União Europeia (UE) deve ser reforçado pela implementação de políticas nacionais adaptadas. O Conselho recomenda aos Estados-Membros que orientem as suas políticas macroeconómicas * e microeconómicas *, tendo em conta as transformações da sociedade europeia e as flutuações da conjuntura internacional.

ACTO

Recomendação do Conselho 2008/390/CE, de 14 de Maio de 2008, sobre as orientações gerais para as políticas económicas dos Estados-Membros e da Comunidade (2008-2010) [Jornal oficial L 137 de 27.05.2008].

SÍNTESE

A recomendação sobre as orientações gerais para as políticas económicas (OGPE) fixa o quadro de coordenação das políticas dos Estados-Membros da União Europeia (UE).

Políticas macroeconómicas a favor do crescimento e do emprego

O respeito das orientações 1 a 5 deve contribuir para:

  • garantir a estabilidade económica com vista a assegurar o crescimento sustentável, apelando aos Estados-Membros para que garantam a evolução das suas finanças públicas de acordo com o Pacto de Estabilidade e de Crescimento (PEC). E, certificando-se de que, em caso de défice da balança de transacções correntes, implementam as reformas estruturais e as políticas fiscais adequadas para fomentar a competitividade dos seus mercados;
  • reforçar a sustentabilidade económica e das finanças públicas sustentável, no contexto do envelhecimento da população europeia. Os Estados-Membros devem conseguir uma redução suficientemente rápida da dívida pública, melhorar a eficácia dos seus sistemas de pensões, protecção social e cuidados de saúde. Devem fomentar a presença dos trabalhadores no mercado de trabalho durante mais tempo;
  • melhorar a eficácia das finanças públicas, orientando as despesas públicas em função dos objectivos de crescimento da estratégia de Lisboa renovada e adoptando medidas fiscais de incentivo ao trabalho e ao investimento;
  • garantir que a evolução salarial se mantenha compatível com o crescimento económico e a estabilidade, incentivando condições-quadro adequadas para os mecanismos de negociação salarial. Com efeito, os custos do factor trabalho devem favorecer a estabilidade dos preços e contribuir para uma maior produtividade;
  • coordenar as políticas macroeconómicas, estruturais e de emprego, com vista a reforçar a capacidade de adaptação dos mercados de produtos e de emprego na economia mundial, de acordo com o princípio de flexigurança.

A orientação 6 recomenda aos Estados da zona euro uma melhor coordenação das suas políticas económicas e orçamentais, que favoreça o dinamismo e o bom funcionamento da zona euro. Devem prestar especial atenção à sustentabilidade orçamental, em conformidade com o PEC, e acelerar as reformas estruturais, com vista a uma maior produtividade, competitividade e capacidade de adaptação da economia. A zona euro deve igualmente reforçar a sua influência e competitividade no plano internacional.

Reformas microeconómicas destinadas a aumentar o potencial de crescimento da Europa

De acordo com a Estratégia de Lisboa, as orientações 7 a 11 sublinham a importância do conhecimento e da inovação enquanto factores de competitividade, crescimento e desenvolvimento sustentável. Os Estados-Membros e a Comunidade deveriam adoptar uma abordagem integrada das políticas em matéria de clima e energia, a fim de aumentar a segurança do aprovisionamento, a disponibilização de energia a preços acessíveis e o combate às alterações climáticas.

As medidas adoptadas pelos Estados-Membros devem permitir:

  • aumentar o investimento, nomeadamente por parte das empresas, em investigação e desenvolvimento, com um objectivo geral, para 2010, de 3% do PIB europeu. Devem ser estabelecidas parcerias entre entidades públicas e privadas. Devem ainda ser desenvolvidos centros de excelência de estabelecimentos de ensino e institutos nacionais de investigação e deve promover-se a transferência de tecnologia entre os institutos públicos de investigação e as empresas;
  • facilitar a inovação sob todas as suas formas, através da implementação de serviços de apoio, recurso aos mercados públicos, acesso aos financiamentos nacionais e internacionais e protecção dos direitos de propriedade intelectual. Os pólos locais e regionais de inovação devem contribuir para a convergência tecnológica dos territórios europeus;
  • acelerar a difusão e a utilização generalizada das tecnologias da informação e da comunicação (TIC), favorecendo, nomeadamente, a implementação, o desempenho e a interoperabilidade das redes de informação;
  • reforçar a base industrial europeia, graças a uma abordagem que reforce a capacidade de reorientação das actividades para sectores de produtividade mais elevada;
  • utilizar os recursos de forma sustentável e criar sinergias entre produção, ambiente e crescimento. Isto implica que os Estados-Membros dêem prioridade à eficiência energética e ao combate contras as alterações climáticas.

A União Europeia (UE) deve reforçar a sua capacidade para atrair investidores e trabalhadores estrangeiros. As orientações 12 a 16 recomendam:

  • alargar e aprofundar o mercado interno, suprimindo os últimos entraves às actividades transfronteiriças na UE, incluindo os referentes ao mercado de serviços e aos mercados públicos;
  • assegurar a abertura e a competitividade dos mercados, graças a uma aplicação mais eficaz da política de concorrência, incluindo nas indústria de rede.
  • As ajudas do Estado devem ser orientadas para os objectivos horizontais, tais como a investigação, a inovação e a optimização do capital humano;
  • melhorar a regulamentação europeia e nacional em função do seu impacto nos domínios económicos, sociais, ambientais e na competitividade das empresas. Os encargos administrativos aplicados às empresas devem ser reduzidos;
  • fomentar o espírito empresarial e criar um ambiente favorável às PME, nomeadamente no que respeita à sua criação, transferência e acesso aos financiamentos;
  • alargar, interligar e modernizar as infra-estruturas europeias, para uma melhor integração dos mercados. Os Estados-Membros devem dar prioridade às redes transeuropeias (RTE).
Palavras-chave do acto
  • Políticas macroeconómicas: este termo abrange as políticas destinadas a influenciar os factores económicos “em grande escala”, como o nível dos preços, o desemprego, o potencial de crescimento, o produto interno bruto, etc.
  • Políticas microeconómicas: este termo abrange as políticas destinadas a orientar as decisões de natureza económica, por exemplo, de pessoas singulares ou colectivas.

ACTOS RELACIONADOS

Recomendação 2009/531/CE do Conselho, de 25 de Junho de 2009, relativa à actualização de 2009 das Orientações Gerais das Políticas Económicas dos Estados-Membros e da Comunidade e à execução das políticas de emprego dos Estados-Membros. [JO L 183 de 15.7.2009].
O Conselho apresentou recomendações aos Estados-Membros para que tenham em conta as orientações integradas para o crescimento e o emprego na revisão de 2009. Estas recomendações estão especificamente adaptadas à situação de cada Estado-Membro e são estabelecidas no contexto da contracção económica e da desaceleração do crescimento do emprego devido à crise financeira internacional.

Os Estados-Membros devem adaptar os seus programas nacionais de reformas e incluir essas adaptações nos seus relatórios de execução anuais.

Estas recomendações, apresentadas no âmbito do segundo ciclo (2008 – 2010) da Estratégia de Lisboa para o Crescimento e o Emprego, são integradas num instrumento único. Este instrumento destina-se à revisão das orientações gerais das políticas económicas e das orientações para as políticas de emprego.

Última modificação: 19.11.2009

Veja também

Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página