RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


EMU@10: sucessos e desafios após 10 anos de União Económica e Monetária

Uma década atrás, os líderes europeus tomaram a decisão de introduzir uma moeda única, o euro. Na presente comunicação, a Comissão Europeia avalia a experiência adquirida durante a primeira década da União Económica e Monetária (UEM), identifica os objectivos e os desafios que a área euro enfrenta e apresenta uma agenda política com vista à continuação do sucesso da UEM.

ACTO

Comunicação da Comissão, de 7 de Maio de 2008, ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu, ao Comité das Regiões e ao Banco Central Europeu : EMU@10 – sucessos e desafios após 10 anos de União Económica e Monetária [COM(2008) 238 final – Não publicado no Jornal Oficial].

SÍNTESE

No final da sua primeira década, o euro é uma história de sucesso e representa o resultado mais tangível da integração europeia. O nível baixoe a estabilidade da inflação e das taxas de juro nos últimos dez anos contribuíram para o aumento do investimento na área do euro. A consolidação fiscal prosseguiu e a criação de emprego atingiu os níveis mais elevados de sempre. Contudo, o crescimento da produtividade tem sido inferior ao de outras economias desenvolvidas, e as preocupações sobre a distribuição dos rendimentos aumentaram. No futuro, a UEM enfrenta desafios ligados à globalização em curso, ao envelhecimento demográfico, ao aumento dos custos dos alimentos e da energia e aos efeitos das alterações climáticas.

Dez anos de estabilidade monetária e económica e de integração

A UEM reforçou a integração económica e dos mercados, graças à supressão dos riscos cambiais e à redução dos custos das transacções transfronteiriças, ajudando a desenvolver o mercado único e a integrar os mercados de produtos. Tendo alcançado o estatuto de segunda moeda mundial após o dólar USA, o euro constitui um importante catalisador para a integração dos mercados financeiros. O Espaço Único de Pagamentos em Euros (SEPA) [EN] eliminará as diferenças entre pagamentos de pequenos montantes a nível nacional e transfronteiriço.

Durante a primeira década da UEM foram criados 16 milhões de empregos (o nível mais elevado de sempre), ao passo que o desemprego diminuiu para cerca de 7 %, a taxa mais baixa registada desde há mais de quinze anos. Além disso, a UEM trouxe benefícios significativos aos Estados-Membros da União Europeia, empenhados num processo de recuperação, permitindo um ambiente de estabilidade macroeconómica e baixas taxas de juro, associados ao apoio da política de coesão e dos Fundos Estruturais.

A política monetária única, conduzida pelo Banco Central Europeu (BCE), associada a políticas orçamentais determinadas a nível nacional mas sujeitas a coordenação, permite assegurar a estabilidade macroeconómica. Os realinhamentos da flutuação monetária e das taxa de câmbio na área do euro tornaram-se uma coisa do passado. Além disso, política monetária cimentou expectativas de inflação duradoura: a taxa de inflação média passou a ser de cerca de 2 % na primeira década da UEM, contra 3 % nos anos noventa e 8 a 10 % nos anos setenta e oitenta, o que contribuiu para reforçar a capacidade de resistência da área do euro a evoluções externas negativas.

O Pacto de Estabilidade e Crescimento (PEC) melhorou a disciplina orçamental e a integração económica e financeira da economia na área do euro foi mais rápida do que no resto da UE. Os progressos em matéria de estabilidade macroeconómica e de consolidação orçamental foram notáveis nos últimos anos e conduziram a um défice de apenas 0,6 % do PIB em 2007, contra uma média de 4 % nos anos oitenta e noventa.

Os desafios que a UEM ainda enfrenta, amplificados pelas novas tendências globais

Embora a primeira década da UEM tenha sido globalmente positiva, ainda continuam por resolver algumas expectativas e desafios, como a globalização, o aumento dos preços dos produtos alimentares e da energia e o envelhecimento demográfico. O potencial de crescimento (cerca de 2 % por ano) continua a ser muito reduzido e ainda existem diferenças substanciais entre países em termos de inflação e de custos do trabalho. A nível internacional, é necessária uma estratégia clara, de forma a que a posição da área do euro assuma uma importância decisiva nos fóruns económicos internacionais, num mundo cada vez mais globalizado. Por último, a imagem pública do euro não reflecte plenamente os sucessos económicos da UEM. Os cidadãos de alguns países crêem que o euro provocou um aumento significativo dos preços. Na verdade, embora o efeito da passagem para o euro na inflação global tenha sido diminuto, a imagem do euro foi, e continua a ser, afectada por certos aumentos abusivos de preços em determinados sectores e países.

Para enfrentar os desafios durante a próxima década, é necessário desenvolver a estabilidade macroeconómica actual, sem deixar de aumentar o crescimento potencial e promover o bem-estar dos cidadãos da área euro, assegurando uma capacidade de ajustamento gradual à medida que a UEM acolhe novos membros e protegendo com êxito os interesses da área do euro na economia global. Para este efeito, a Comissão elaborou uma agenda assente em três pilares:

  • Interno: o reforço e o alargamento da supervisão macroeconómica e uma melhor integração do processo de coordenação política global no quadro da UEM;
  • Externo: o reforço do papel da área do euro na governança económica global, mediante o desenvolvimento de posições comuns e a consolidação da sua representação, tendo por objectivo último a obtenção de um único lugar nas instituições financeiras e nos fóruns financeiros internacionais;
  • Promover a governança efectiva da UEM: aplicar ambas as agendas exige um sistema mais eficaz de governança económica.

Antecedentes

Em Maio de 1998, o Conselho tomou a decisão de avançar para a terceira e última fase da União Económica e Monetária (UEM) e de introduzir a moeda única, o euro. Utilizado desde 1 de Janeiro de 1999 como moeda escritural, as notas e moedas de euro foram introduzidas em 1 de Janeiro de 2002 em 12 Estados‑Membros. Presentemente, 17 dos 27 Estados‑Membros fazem parte da área do euro.

Última modificação: 11.06.2008
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página