RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Letónia

Arquivos

1) REFERÊNCIAS

Parecer da Comissão [COM(1997) 2005 final - Não publicado no Jornal Oficial]
Relatório da Comissão [COM (1998) 704 final - Não publicado no Jornal Oficial]
Relatório da Comissão [COM(1999) 506 final - Não publicado no Jornal Oficial]
Relatório da Comissão [COM(2000) 706 final - Não publicado no Jornal Oficial]
Relatório da Comissão [COM(2001) 700 final - SEC(2001) 1749 - Não publicado no Jornal Oficial]
Relatório da Comissão [COM(2002) 700 final - SEC(2002) 1405 - Não publicado no Jornal Oficial]
Relatório da Comissão [COM(2003) 675 final - SEC(2003) 1203 - Não publicado no Jornal Oficial]
Tratado de Adesão à União Europeia [Jornal Oficial L 236 de 23.09.2003]

2) SÍNTESE

No seu parecer de Julho de 1997, a Comissão considerava que era prematuro conjecturar sobre a participação da Letónia na zona do euro desde a sua adesão e que a sua participação na terceira fase da União Económica e Monetária (UEM), sem participar na zona do euro, continuava a suscitar problemas. A Comissão solicitava, mais concretamente, que a Letónia tornasse a legislação relativa ao Banco Central compatível com as exigências comunitárias. A Comissão concluía, no que se refere aos movimentos de capitais, que a Letónia já tinha introduzido uma liberalização quase completa e que a eliminação das restrições ainda existentes não deverá suscitar problemas de maior.
O relatório de Novembro de 1998 constatava a realização de alguns progressos na sua preparação para a adesão à União Económica e Monetária. Em Outubro de 1999 a Comissão verificava que a Letónia tinha feito progressos consequentes, quanto à sua preparação para aderir à UEM e, sobretudo, quanto à independência do seu Banco Central.
No seu relatório de Outubro de 1999, a Comissão assinalava que a Letónia tinha feito progressos significativos quanto à sua preparação para aderir à UEM e, sobretudo, quanto à independência do seu Banco Central.
O relatório de Novembro de 2000 assinalava que, desde o último relatório periódico, não tinha sido adoptada qualquer nova legislação.
No seu relatório de Novembro de 2001, a Comissão verifica que, na sua globalidade, a legislação da Letónia está amplamente em conformidade com o acervo.
No relatório de Outubro de 2002, a Comissão considera que, desde o último relatório periódico, a Letónia fez progressos na adopção do acervo.
O relatório de Novembro de 2003 constata que o país respeita globalmente os compromissos e as exigências decorrentes das negociações de adesão e estará em condições de aplicar o acerco correspondente a partir da data da sua adesão.
O tratado de adesão foi assinado em 16 de Abril de 2003 e a adesão teve lugar no dia 1 de Maio de 2004.

ACERVO COMUNITÁRIO

A terceira fase da UEM teve início em 1 de Janeiro de 1999. Esta data é sinónimo de profundas alterações para todos os Estados-Membros, mesmo para aqueles que não participem desde o início na zona do euro.

Em matéria económica, a coordenação das políticas nacionais (programas nacionais de convergência, orientações gerais para as políticas económicas, supervisão multilateral e procedimento relativo aos défices excessivos) constitui o ponto central. Todos os países são obrigados a respeitar o Pacto de Estabilidade e de Crescimento, a renunciar ao financiamento directo do défice do sector público pelo banco central e ao acesso privilegiado das Autoridades públicas às instituições financeiras, devendo ainda ter terminado o processo de liberalização dos movimentos de capitais.

Os Estados-Membros que não participam na zona do euro conduzem uma política monetária autónoma e participam no Sistema Europeu de Bancos Centrais (SEBC) com certas restrições. Os bancos centrais devem ser independentes e ter como objectivo principal a estabilidade dos preços. Por último, a política cambial é considerada como uma questão de interesse comum por todos os Estados-Membros que devem estar em condições de participar no novo mecanismo de taxa de câmbio.

Apesar de a adesão implicar a aceitação do objectivo da UEM, o preenchimento dos critérios de convergência não é uma condição prévia. Contudo, dado que esses critérios indicam a existência de uma política macroeconómica orientada para a estabilidade, é necessário que todos os Estados-Membros os observem em tempo útil e de forma permanente.

AVALIAÇÃO

A Letónia só acedeu à independência em 1991. O país teve de reintroduzir uma economia de mercado e, em simultâneo, de criar novas instituições. As reformas foram, portanto, iniciadas tardiamente e a um ritmo relativamente lento.

A Letónia realizou progressos importantes na instauração de um quadro macroeconómico estável e de uma economia de mercado até 1998. O país está no bom caminho para se tornar capaz, a médio prazo, de resistir à pressão concorrencial e às forças do mercado dentro da União Europeia (UE). O relatório de 1999 considera que a Letónia pode ser considerada como uma economia de mercado viável. A economia letã é muito aberta e a sua integração comercial com a UE progride de forma constante. O produto interno bruto (PIB) por habitante atingiu 33,1% da média comunitária em 2001.

No que diz respeito à actividade económica, o crescimento do PIB de 6,5% em 1997 foi particularmente elevado. A economia da Letónia foi sensivelmente afectada pela crise russa a partir do segundo semestre de 1998, pelo que o crescimento do PIB real abrandou, atingindo 3,6%. A recessão económica consecutiva à crise russa de 1998 foi seguida de uma retoma vigorosa. Sob o impulso das exportações, dos investimentos e do consumo privado, o PIB aumentou 6,6% em 2000 e 7,7% em 2001, não obstante o abrandamento da actividade económica à escala mundial. Em média, o PIB real aumentou cerca de 6,1% ao ano no período abrangido pelos relatórios da Comissão. O relatório de 2003 constata que a actividade económica se manteve vigorosa, não obstante o enquadramento externo pouco favorável. O crescimento do PIB continuou a ser elevado em 2002, ascendendo a 6,1%. Acelerou ainda mais no primeiro trimestre de 2003, tendo atingido 8,8% em doze meses.

No que diz respeito à situação das finanças públicas, o orçamento geral do Estado registou um excedente de 1,8% do PIB em 1997. Em 1998, a execução do orçamento do sector público administrativo libertou um excedente financeiro de 0,3% do PIB. Seguidamente, a estagnação do crescimento económico provocou um défice do sector público administrativo de 4,2% do PIB em 1999, o qual desceu para 2,8% em 2000 e continuou a baixar nos anos seguintes, atingindo 1,6% do PIB em 2001. A lei das finanças de 2002 prevê um agravamento do défice orçamental, que deverá atingir 2,75%. Desde 1999, a política orçamental foi orientada para o equilíbrio orçamental a médio prazo. A dívida bruta média do sector público administrativo durante o período em análise é, em termos comparativos, relativamente pouco elevado, ou seja, 13,6% do PIB. Esta dívida aumentou todos os anos, tendo registado em 2001 um aumento de 2,1 pontos percentuais, passando para 16% do PIB. O relatório de 2003 observa que o processo de consolidação orçamental foi interrompido e que a política orçamental se tornou mais expansionista em 2002. O défice do sector público administrativo subiu portanto para 3%. A dívida pública mantém-se contudo relativamente baixa, ascendendo a 15,2% do PIB em 2002.

Desde meados de 1997, a inflação tem vindo a registar um declínio regular. Em Agosto de 1999, a sua taxa para os últimos doze meses situava-se em 2,1% contra 3,5% em 1998. Durante todo o ano de 1999, a inflação manteve-se baixa na Letónia, com uma média de 2,4%, mas atingiu 3,7% em Abril de 2000. Em média, os preços aumentaram 2,6% este ano e 2,5% em 2001. O aumento dos preços foi de 3,9% em média no período abrangida pelos relatórios da Comissão. A inflação desceu para 2% em 2002, tendo contudo subido para 2,5% em Abril de 2003.

No que toca à taxa de câmbio, o objectivo central da política monetária do país consiste em manter uma paridade fixa relativamente a um cabaz de moedas. Durante o Verão de 1999, a moeda teve de fazer face a tensões, devido às preocupações suscitadas pelo aparecimento do défice orçamental. O Banco Central considera contudo que está tecnicamente em condições de ligar a moeda ao euro a qualquer momento. Em 1999, a taxa de câmbio do lats valorizou-se 4,7% relativamente às moedas dos seus principais parceiros comerciais. O relatório de 2001 considera que a política monetária do Banco Central foi coroada de êxito com o seu sistema de fixação de paridade, que contribuiu para garantir a estabilidade dos preços. O relatório de 2003 assinala que as condições monetárias se mantiveram favoráveis à fixação da paridade da taxa de câmbio, tendo assim contribuído para a estabilidade macroeconómica.

O défice da balança de transacções correntes do país continua a ser elevado e tende a aumentar com a aceleração do crescimento. Em 1997, o défice ascendeu a 6,3% do PIB. Desde o início da crise russa, em Agosto de 1998, as exportações para a Comunidade dos Estados Independentes (CEI) diminuiu para quase metade. Desde o final de 1999, o défice das transacções correntes, que continua a ser considerável, registou uma ligeira melhoria. Reflectindo os bons resultados obtidos a nível das exportações, o défice diminuiu nitidamente, tendo descido de 9,6% do PIB em 1999 para 6,8% em 2000, embora em 2001 tenha aumentado para 9,7%. O défice das transacções correntes representou, em média, 8,6% do PIB no período abrangido pelos relatórios da Comissão.
O relatório de 2003 assinala que o défice da balança de transacções correntes desceu para 7,7% do PIB, o que é todavia relativamente elevado.

No que diz respeito às reformas estruturais, a Letónia registou grandes progressos. Segundo o calendário adoptado, 95% das antigas empresas públicas deveriam ser privatizadas até 1 de Julho de 1998. O processo de privatização encontra-se portanto em vias de finalização. O sector privado contribui actualmente para 65% do PIB e 69% do emprego na Letónia. O Governo continuou a colmatar as lacunas estruturais da economia em 2000. Foram realizados grandes progressos no sector financeiro e foram tomadas as primeiras medidas para concretizar uma reforma do sistema de pensões. A reestruturação do sector bancário letão está praticamente concluída. O relatório de 2001 assinala que a taxa de desemprego se mantém bastante estável, situando-se contudo a níveis elevados. O nível médio de educação na Letónia é relativamente elevado. A evolução estrutural da economia foi considerável, embora tenha abrandado nos últimos tempos. O governo prosseguiu a política de privatização. São aplicados planos de reestruturação nas empresas públicas cuja privatização não está prevista. A reforma das pensões é aplicada como previsto. Foram registados progressos no que diz respeito à aplicação de políticas activas de emprego, embora não tenham sido suprimidos todos os casos de rigidez estrutural.

Relativamente à independência do Banco Central, foi aprovada uma lei que proíbe a concessão de créditos a curto prazo ao Estado em 1998. A Letónia fez progressos significativos no que respeita à preperação para a sua adesão à UEM no ano seguinte. O Banco Central deixou de poder adquirir obrigações do tesouro nos mercados primários e as autoridades públicas deixaram de ter acesso privilegiado às instituições financeiras. Todavia, o relatório de 2000 exigia que as definições de dívida pública e de défice público fossem harmonizadas com as exigências do acervo. O acto jurídico que institui o Banco da Letónia prevê ainda motivos de destituição susceptíveis de estar em contradição com o acervo. Em Junho de 2002, foi adoptada uma nova legislação sobre o Banco da Letónia com vista a pô-la mais em consonância com as disposições do acervo relativas à exigência de independência do Banco Central, nomeadamente no que diz respeito aos motivos de despedimento dos membros do seu Conselho de Administração. O relatório de 2003 observa que a legislação da Letónia está em conformidade com o acervo, com excepção de um domínio: a Letónia deve ainda adoptar uma última alteração à lei sobre o Banco Central, com vista a garantir a independência pessoal dos seus membros.

No que se refere à situação das negociações, a Letónia anunciou que estava disposta a aceitar o acervo relativo à União Económica e Monetária e que o respeitaria inteiramente. A Letónia atingiu um elevado grau de alinhamento com o acervo relativo à UEM e criou a capacidade administrativa necessária para o efeito. As negociações relativas ao presente capítulo foram encerradas em Dezembro de 2002. A Letónia não solicitou disposições transitórias. De uma forma geral, respeita os compromissos que assumiu aquando das negociações de adesão neste domínio.

A presente ficha de síntese, divulgada a título de informação, não tem por objectivo interpretar ou substituir o documento de referência.

Última modificação: 15.03.2004
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página