RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


De uma estratégia para África a uma parceria estratégica UE-África

Dois anos após a adopção da Estratégia da União Europeia (UE) para África, em 2005, a UE e África redefinem a sua parceria à luz das profundas transformações que sofreram nos últimos anos. Chegou agora o momento de passar de uma Estratégia para África a uma Parceria Estratégica UE-África.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho, de 27 de Junho de 2007 - Do Cairo a Lisboa - A Parceria Estratégica UE-África [COM(2007) 357 final – Não publicada no Jornal oficial].

SÍNTESE

CONTEXTO HISTÓRICO : DO CAIRO A LISBOA

A primeira cimeira histórica entre a União Europeia (UE) e África, realizada no Cairo em 2000, representou o início de um diálogo político mais estruturado entre a UE e África, nomeadamente através de encontros regulares entre altos funcionários e ministros. Na sequência da criação, em 2001, da Nova Parceria para o Desenvolvimento de África (NEPAD) e da União Africana (UA), em 2002, estava prevista a realização de uma segunda cimeira em Lisboa, em 2003, que foi adiada devido às controvérsias relativas à participação de certos países.

Em Outubro de 2005, aquando de uma reunião conjunta com a Comissão da UA, a Comissão Europeia adoptou uma comunicação sobre a Estratégia da UE para África, que seria formalmente aprovada pelo Conselho Europeu de Dezembro do mesmo ano. Esta estratégia permitiu o reforço da coerência política no âmbito da UE e uma melhor coordenação das políticas da Comissão e dos Estados-Membros em relação a África.

Em Dezembro de 2005, os participantes na quinta reunião ministerial UE-África, realizada em Bamako, acordaram em que a próxima etapa consistiria em desenvolver uma estratégia conjunta UE-África. Esta posição foi seguidamente confirmada pelo Conselho Europeu, em Dezembro de 2006, e posteriormente pela Cimeira da UA, em Janeiro de 2007.

Esta estratégia conjunta deverá reforçar o diálogo político entre a UE e África, tendo em vista:

  • ultrapassar o quadro da simples cooperação para o desenvolvimento, alargando o diálogo a preocupações políticas comuns e a questões de interesse comum;
  • superar o contexto do continente africano, indo para além de uma estratégia exclusivamente centrada nas questões africanas para contemplar temas de interesse europeu e planetário e actuar em conformidade nas instâncias competentes;
  • abandonar o apoio fragmentado às aspirações africanas para procurar soluções regionais e globais para os desafios mais importantes;
  • garantir uma maior participação dos cidadãos africanos e europeus na parceria estratégica e contribuir assim para o reforço da sociedade civil nos dois continentes.

Na sequência da aprovação das grandes orientações da estratégia conjunta pela oitava tróica ministerial UE - África, a estratégia finalizada foi adoptada durante a segunda Cimeira UE - África (ver "Actos relacionados").

PROPOSTAS PARA A ESTRATÉGIA CONJUNTA UE-ÁFRICA

A estratégia conjunta perseguirá os quatro objectivos políticos seguintes:

  • reforço da parceria a fim de a transformar numa verdadeira parceria entre iguais;
  • promoção de questões essenciais em matéria de desenvolvimento, como a paz e segurança, a governação e os direitos humanos, o comércio e a integração regional e continental em África;
  • resposta conjunta aos desafios globais;
  • promoção de uma parceria abrangente, diversificada e centrada nas pessoas.

Mais concretamente, a Comissão propõe cinco iniciativas comuns, que serão incluídas num plano de acção anexo à estratégia conjunta. Trata-se de:

Uma parceria sobre a energia

Esta parceria constituirá uma plataforma tendo em vista:

  • reforçar o diálogo existente sobre questões como o acesso aos recursos energéticos e a segurança energética;
  • aumentar os investimentos em infra-estruturas energéticas;
  • utilizar uma parte mais significativa das receitas provenientes do petróleo e do gás para actividades de desenvolvimento;
  • integrar a questão das alterações climáticas na cooperação para o desenvolvimento.

Além disso, deverá desenvolver-se com base em instrumentos existentes, nomeadamente:

  • o quadro geral da parceria UE-África para as infra-estruturas e o seu fundo fiduciário;
  • a iniciativa da UE para a energia (IUEE) (EN) e a sua facilidade ACP para a energia ( castellano deutsch english français );
  • os programas indicativos nacionais e regionais no âmbito do 10.º Fundo Europeu de Desenvolvimento ((FED);
  • o programa temático ( castellano deutsch english français ) para o ambiente e a gestão sustentável dos recursos naturais, incluindo a energia.

Uma parceria sobre as alterações climáticas

A parceria reforçará a cooperação entre a UE e a UA nos seguintes domínios:

  • redução dos riscos associados a catástrofes;
  • luta contra a desflorestação;
  • participação dos países em desenvolvimento no mercado mundial do carbono;
  • promoção e disseminação de tecnologias respeitadoras do ambiente;
  • melhoria do acompanhamento dos efeitos das alterações climáticas sobre o ambiente;

Em Janeiro de 2007, os dirigentes da UA, reconhecendo a vulnerabilidade do continente africano perante as alterações climáticas, comprometeram-se, na Declaração de Adis-Abeba, a integrar a problemática das alterações climáticas nas políticas, nos programas e nas actividades de desenvolvimento a nível nacional e sub-regional. Esta decisão representa uma boa base para uma parceria entre a UE e a UA neste domínio.

Uma parceria sobre a migração, a mobilidade e o emprego

Em matéria de migração, a colaboração entre a UE e África conduzirá à criação de uma rede africana de observatórios da migração que recolherão, analisarão e difundirão dados relativos aos fluxos migratórios entre os países africanos, bem como entre África e a UE. Será conferida especial atenção à questão da mão-de-obra qualificada.

No tocante à mobilidade, a parceria procurará reforçar as capacidades africanas no domínio da gestão da informação sobre migrações. Além disso, incentivará a circulação da mão-de-obra qualificada através da conclusão de parcerias entre instituições europeias e africanas, como universidades e hospitais.

Por último, a fim de oferecer aos africanos uma verdadeira alternativa à migração para a Europa, a parceria debruçar-se-á sobre a criação de mais empregos e de melhor qualidade em África, nomeadamente na economia formal.

Uma parceria sobre a governação democrática

A UA e a UE deverão incentivar o diálogo sobre questões de governação de interesse comum como os direitos humanos e a gestão dos recursos naturais, mediante a criação de um fórum da governação que agrupe intervenientes não estatais, parlamentos nacionais, autoridades locais e organizações regionais. Além disso, a UE explorará novas estratégias para aumentar o financiamento comunitário e dos Estados-Membros em favor do apoio à arquitectura de governação pan-africana.

Uma arquitectura institucional e política

A Comissão sublinha a necessidade de reforçar o diálogo entre todas as instituições da UE e da UA, nomeadamente entre o Parlamento Europeu e o Parlamento Pan-Africano, bem como entre a Comissão da UE e a Comissão da UA. Além disso, a UE e a UA poderiam realizar reuniões ministeriais conjuntas. Esses esforços serão desenvolvidos com base em reuniões bianuais das tróicas ministeriais UE-África existentes, bem como em cimeiras de Chefes de Estado ou de Governo que poderiam realizar-se de dois em dois ou de três em três anos, tanto na Europa como em África.

Nessa base, os parceiros europeus e africanos trabalham em conjunto na formulação da estratégia conjunta e do plano de acção. Para além das iniciativas já citadas, está previsto o estabelecimento de parcerias nos domínios da paz e da segurança, da governação democrática e dos direitos humanos, das ciências, da sociedade da informação e do espaço, bem como a concessão de especial importância à consecução dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM).

ACTOS RELACIONADOS

Declaração de Lisboa [não publicado no Jornal Oficial] (pdf ) (EN).
Esta declaração, adoptada no final da segunda Cimeira a UE – África de 8 e 9 de Dezembro de 2007 pelos chefes de Estado ou de Governo de 53 países africanos e dos 27 Estados-Membros da UE, lança as bases da nova parceria estratégica de igual para igual entre a África e a UE. Esta declaração, que contém a filosofia e os compromissos da parceria, foi adoptada em simultâneo com a primeira Estratégia Conjunta UE - África e o seu primeiro Plano de Acção para três anos (2008-2010) (pdf ) (EN).
As prioridades estratégicas identificadas traduzem-se em oito parcerias cujos progressos serão avaliados aquando da próxima cimeira, em 2010. As parcerias abrangem os seguintes domínios: paz e segurança, governação democrática e direitos humanos, comércio e integração regional, realização dos ODM, energia e ciência, sociedade da informação e espaço.

Última modificação: 16.05.2008
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página