RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 9 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Parceria com a África para o desenvolvimento do sector do algodão

O algodão é um sector importante da economia de vários países africanos, nomeadamente na África Ocidental. A União Europeia (UE) e a África estabeleceram uma parceria para o desenvolvimento do sector do algodão com componentes comerciais e de desenvolvimento. Neste quadro, a UE apoia a competitividade dos sectores algodoeiros em África e visa reduzir a sua vulnerabilidade.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Conselho e ao Parlamento Europeu de 12 de Fevereiro de 2004 - Proposta de parceria UE-África em apoio do desenvolvimento do sector do algodão [COM(2004) 87 final - não publicado no Jornal Oficial].

SÍNTESE

O algodão africano e os desafios no mercado mundial

As exportações de algodão são vitais para vários países africanos, nomeadamente na África Ocidental e Central, representando, por exemplo, 30 % a 40 % das receitas de exportação do Benim, do Burkina Faso, do Chade e do Mali. A União Europeia (UE) é um importador líquido deste produto. Uma vez que a produção europeia de algodão representa apenas 2 % da produção mundial, a UE tem uma influência marginal sobre a formação do preço nos mercados internacionais.

Este sector enfrenta diversos desafios, tanto a nível internacional como nacional. A nível internacional, os preços caracterizam-se, por um lado, por uma tendência no sentido da baixa a longo prazo e por fortes flutuações a curto prazo e, por outro, pela distorção do comércio causada pelas subvenções à produção concedidas por vários países industrializados. A nível nacional, o sector é ameaçado pela sua capacidade limitada para se adaptar à evolução da procura e por um baixo ritmo de inovação tecnológica.

Parceria em apoio do algodão africano

A UE propõe-se apoiar o desenvolvimento do sector africano do algodão através de uma parceria aberta a todos os países africanos do grupo África, Caraíbas e Pacífico (ACP) cuja economia dependa largamente deste produto.

O primeiro objectivo da parceria é a obtenção de condições comerciais mais equitativas nos mercados internacionais do algodão no âmbito das negociações agrícolas conduzidas no âmbito do programa de Doha para o desenvolvimento (EN) (FR) (ES) da Organização Mundial do Comércio (OMC). Isto inclui em especial:

  • a abertura completa ao algodão e aos têxteis originários dos países menos avançados (PMA) por parte dos mercados de todos os países desenvolvidos, seguindo o exemplo da iniciativa da UE "Tudo menos armas" (EN) (FR). Além disso, a UE propõe procurar soluções para o problema do carácter progressivo dos direitos aduaneiros e da erosão das preferências comerciais de que beneficiam os países em desenvolvimento;
  • a redução de todas as formas de subvenções à exportação de algodão, bem como das subvenções à produção que falseiam os mercados, provocando um aumento da produção e das exportações;
  • a assistência técnica ligada ao comércio, para ajudar os países africanos a identificar e defender os seus interesses no contexto do comércio multilateral.

Em segundo lugar, a parceria destina-se a apoiar as regiões e os países de África produtores de algodão. Por um lado, a fim de melhorar a competitividade das economias algodoeiras, a Comissão propõe:

  • estimular a aplicação de planos globais de desenvolvimento sustentável das regiões e países produtores e favorecer a diversificação em torno do sector do algodão;
  • reforçar o desenvolvimento de instituições e de políticas ligadas ao algodão, que permitirão lançar reformas sectoriais;
  • incentivar os investimentos nas actividades de integração da cadeia do algodão;
  • favorecer a adaptação e a inovação tecnológicas dos produtores, nomeadamente a nível das pequenas explorações;
  • promover o reconhecimento da qualidade do algodão africano no mercado internacional;
  • utilizar as negociações sobre os acordos de parceria económica (APE) para melhorar a competitividade do sector.

Por outro lado, a fim de reduzir a vulnerabilidade do rendimento ligada à volatilidade dos preços, a Comissão propõe:

  • ajudar os produtores de algodão a aceder a mecanismos de gestão dos riscos com base no mercado;
  • exortar as instituições financeiras internacionais a integrarem nos seus mecanismos actuais disposições que permitam fazer face às flutuações dos preços dos produtos de base;
  • facilitar o acesso dos países ACP ao mecanismo FLEX.

A aplicação da parceria requer a participação conjunta dos Estados-Membros da UE e dos países africanos produtores de algodão. A Comissão propõe a criação de grupos de trabalho "algodão", reunindo representantes dos governos dos países produtores, da Comissão e de outros intervenientes, encarregados do exame e da coordenação das acções. A aplicação da parceria será sujeita a avaliações periódicas.

O financiamento da parceria baseia-se em instrumentos e dispositivos já existentes, nomeadamente no quadro do Fundo Europeu de Desenvolvimento (FED). Além disso, a revisão das condições de aplicabilidade do mecanismo FLEX permitirá facilitar o acesso a este instrumento.

Contexto

Esta proposta constitui uma aplicação prática dos princípios e análises expostos na comunicação relativa a um Plano de Acção para as Cadeias de produtos de base agrícolas (castellanodeutschenglishfrançais), adoptada paralelamente a esta proposta.

Palavras-chave do acto

Carácter progressivo dos direitos: direitos que aumentam com o grau de transformação dos produtos.


Números-chave do acto
  • África Ocidental e Central: 5,1 % da produção mundial e 12,7 % das exportações mundiais de algodão (em 2001-2002). 70 % destas exportações destinam-se à UE.
  • A UE é importador líquido de algodão: representa 2,6 % da produção mundial e 4,7 % das exportações mundiais de algodão (em 2001-2002). Um terço das suas importações de algodão provém da África Ocidental e Central.

ACTOS RELACIONADOS

Foi apresentado ao Conselho de 10 de Abril de 2006 um relatório sobre o estado de evolução dos trabalhos relativos à parceria UE-África para o desenvolvimento do sector do algodão, conjuntamente com o relatório relativo ao plano de acção sobre as cadeias de produtos de base agrícolas. O relatório sublinhava, nomeadamente, os progressos realizados na aplicação da parceria, bem como os desafios que subsistiam em termos de melhoria da competitividade da produção e de aumento dos rendimentos dos agricultores. Seguidamente, em Novembro de 2007, a Comissão apresentou ao grupo de trabalho sobre os produtos de base do Conselho um novo relatório sobre a aplicação da parceria. Este relatório sublinha a aceleração da aplicação da parceria em 2007.

Conclusões do Conselho sobre a cadeia de produtos de base agrícolas, a dependência e a pobreza e sobre uma parceria UE-África de apoio ao desenvolvimento do sector do algodão. Conselho Assuntos Gerais e Relações Externas - 27 de Abril de 2004 [não publicado no Jornal Oficial].
11. O Conselho aprova a comunicação que propõe a parceria com a África no sector do algodão e convida a Comissão a examinar a possibilidade da adesão da Comunidade Europeia ao Comité Consultivo Internacional do Algodão (CCIC) (EN).

 
Última modificação: 15.01.2008
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página