RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Luta contra a exploração madeireira ilegal

A exploração madeireira ilegal e a desflorestação contribuem para as alterações climáticas e para a degradação da biodiversidade. O presente regulamento proíbe a entrada no mercado europeu de madeira recolhida de maneira ilegal, estabelece as condições prévias para a comercialização da madeira e dos produtos da madeira, e define as exigências dos «organismos de controlo».

ACTO

Regulamento (UE) n.° 995/2010 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de Outubro de 2010, que fixa as obrigações dos operadores que colocam no mercado madeira e produtos da madeira.

SÍNTESE

A exploração madeireira ilegal designa toda a forma de recolha, transformação ou comercialização de madeira que viole a legislação do país no qual a recolha teve lugar. Devido à desflorestação e à degradação que causam, estas práticas têm graves repercussões ambientais, tais como a perda da biodiversidade e o aumento das emissões de CO2. A exploração madeireira ilegal também tem repercussões económicas e sociais.

Madeira e produtos da madeira

O regulamento não se aplica apenas à madeira importada, mas também à madeira recolhida e transformada no seio da União Europeia. Abrange uma vasta gama de produtos da madeira, enumerados no anexo de acordo com a nomenclatura do Código Aduaneiro Comunitário.

Obrigações dos operadores

O regulamento estabelece três obrigações principais:

  • A madeira e os produtos da madeira comercializados têm de ser provenientes de uma recolha legal;
  • Os operadores que comercializam madeira e produtos da madeira têm de utilizar um sistema de «diligência devida». O sistema da diligência devida é um sistema de gestão de riscos que visa minimizar o risco da presença de madeira ilegal na cadeia de abastecimento. Os operadores têm de ser capazes de fornecer determinados tipos de informações sobre a madeira e os produtos da madeira comercializados, assim como realizar uma avaliação de riscos;
  • Os operadores têm de conservar informações sobre os seus fornecedores e comerciantes aos quais fornecem madeira, por um período mínimo de cinco anos. Assim, assegura-se a rastreabilidade.

Sistema de diligência

O regulamento oferece aos operadores a possibilidade de utilizar os sistemas de diligência devida estabelecidos pelos organismos de controlo. Estes são organizações que possuem capacidades técnicas e analíticas que podem ajudar os seus membros a cumprirem as regras. Para serem reconhecidas pela Comissão Europeia, estas organizações têm de cumprir as condições legais e técnicas.

Estatuto da madeira e dos produtos da madeira

A União Europeia negoceia e celebra acordos de parceria voluntários «FLEGT» com determinados países, a fim de garantir que as madeiras importadas desses países são de origem legal. A madeira exportada no âmbito destes acordos beneficia de um regime de autorização instaurado pelo Regulamento (CE) n.° 2173/2005.

Em conformidade com a Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Selvagens Ameaçadas de Extinção, o Regulamento (CE) n.º 338/97 especifica as condições de emissão de licenças para determinados tipos de madeira. O presente regulamento considera que a madeira que beneficia de tal licença também é proveniente de uma recolha legal.

Aplicação

A data de aplicação do regulamento está fixada para 3 de Março de 2013. Os operadores europeus, os produtores de madeira e os Estados-membros (incluindo os parceiros comerciais) devem dispor de um período de tempo razoável para se preparar. Neste intervalo de tempo, a Comissão pode adoptar regras mais pormenorizadas.

REFERÊNCIAS

Acto Entrada em vigor Prazo de transposição nos Estados-Membros Jornal Oficial

Regulamento (UE) n.° 995/2010

2.12.2010

-

JO L 295 de 12.11.2010

Última modificação: 05.04.2011
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página