RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Quadro estratégico para a segurança alimentar nos países em desenvolvimento

A Comissão apresenta uma nova estratégia de enquadramento da acção da União Europeia para a segurança alimentar nos países em desenvolvimento. A estratégia deve assim permitir melhorar as condições de vida da população e proteger os grupos mais vulneráveis contra a fome, sendo apresentada dez anos após a adopção dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Conselho e ao Parlamento Europeu, de 31 de Março de 2010, intitulada «Quadro estratégico da UE para ajudar os países em desenvolvimento a enfrentarem os desafios no domínio da segurança alimentar» [COM(2010) 127 final - Não publicado no Jornal Oficial].

SÍNTESE

A União Europeia (UE) e os seus países-membros comprometeram-se a reforçar a sua acção em prol dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM), nomeadamente com vista a reduzir a pobreza extrema e a fome nos países em desenvolvimento.

A Comissão apresenta assim um novo quadro político para lutar contra a forme e a subnutrição no mundo. Com efeito, as estratégias de desenvolvimento devem ter em conta novas limitações, em particular as que estão relacionadas com o aumento da população e com o impacto das alterações climáticas na agricultura.

A UE deve agir prioritariamente com vista a apoiar os países mais frágeis, ou seja, os países que que estão mais longe de alcançar os ODM (em particular na África e no Sul da Ásia).

Uma abordagem multissectorial

As estratégias para a segurança alimentar assentam em quatro fundamentos principais:

  • a disponibilidade dos produtos alimentares, que requer uma cadeia agro-alimentar sustentável, uma intensificação da produção agrícola, um desenvolvimento do comércio internacional e da integração regional. O apoio aos pequenos agricultores é crucial, na medida em que as zonas rurais são mais afectadas pelas penúrias (deve apoiar-se a gestão das perdas, do armazenamento, da utilização dos solos, etc.);
  • o acesso à alimentação, apoiando o emprego, o aumento dos rendimentos e os mecanismos sociais de compensação dos rendimentos, incluindo em períodos de crise;
  • o valor nutritivo dos produtos alimentares, em especial para as mulheres grávidas ou lactantes e as crianças com menos de cinco anos. Este domínio de acção requer, nomeadamente, acções de formação e educação, assim como uma maior diversificação da produção agrícola;
  • a prevenção e a gestão das crises, associando os diversos intervenientes da ajuda humanitária e do desenvolvimento na aplicação de estratégias que conjuguem a ajuda de emergência, a reabilitação e o desenvolvimento (LRRD) e a redução dos riscos de catástrofes (RRC). A estratégia deve ainda contribuir para a integração regional e a luta contra a volatilidade dos preços (graças ao aumento da produção e à estabilidade das reservas de produtos alimentares).

Aumentar a eficácia das acções

A Comissão apresenta três formas de melhorar as suas acções de cooperação para o desenvolvimento:

  • apoiar as iniciativas nacionais e regionais dos países em desenvolvimento, incluindo nos domínios relacionados com a alimentação (gestão dos solos, água, biocombustíveis, etc.). As organizações de agricultores, a sociedade civil, o sector privado e todos os interessados devem ser consultados aquando da elaboração destas políticas;
  • harmonizar as intervenções da UE e dos seus países-membros, nomeando um coordenador principal, adoptando instrumentos comuns e adaptando as diferentes políticas em causa (tais como agricultura, pescas, ambiente e investigação). Esta abordagem assenta no Consenso Europeu para o desenvolvimento, na Declaração de Paris sobre a Eficácia da Ajuda ao Desenvolvimento, no Programa de Acção de Acra e no Código de Conduta da UE em matéria de Complementaridade e Divisão das Tarefas na Política de Desenvolvimento;
  • aumentar a coerência do sistema de governação internacional, nomeadamente ao apoiar o papel do Comité da Segurança Alimentar Mundial (CFS) (EN) (ES) (FR) na qualidade de organismo de coordenação ao nível mundial e ao apoiar uma maior cooperação entre as organizações das Nações Unidas (FAO, PAM e FIDA).

Contexto

A presente comunicação é completada pela nova estratégia sobre a ajuda alimentar humanitária.

Última modificação: 28.05.2010
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página