RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Comércio equitativo e programas não governamentais de garantia da sustentabilidade relacionados com o comércio

O comércio equitativo contribui de forma determinante para o desenvolvimento sustentável. A União Europeia (UE) incentiva a diversidade dos programas de certificação e de rotulagem.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu e ao Comité Económico e Social Europeu, de 5 de Maio de 2009, intitulada «Contribuir para o desenvolvimento sustentável: o papel do comércio equitativo e dos programas não governamentais de garantia da sustentabilidade relacionados com o comércio» [COM(2009) 215 final - Não publicado no Jornal Oficial].

SÍNTESE

Após a sua comunicação de 1999 sobre o comércio equitativo, a Comissão apresenta um balanço dos desenvolvimentos que ocorreram no sector.

Desde então, uma marca internacional única veio substituir os rótulos nacionais de certificação do comércio equitativo nos Estados-Membros. A criação desta marca permitiu reforçar a confiança dos consumidores e o reconhecimento dos produtos provenientes deste comércio. Em 2009, entre 60 % e 70 % das vendas mundiais de produtos do comércio equitativo são destinadas à União Europeia (UE).

O crescimento deste sector veio favorecer o surgimento de novos programas de sustentabilidade. O comércio equitativo * assenta no desenvolvimento económico, ambiental e social. No que respeita aos programas de sustentabilidade privados relacionados com o comércio *, estes baseiam-se em, pelo menos, um destes três pilares.

A definição do comércio equitativo assenta em critérios comuns que constituem uma abordagem integrada relativamente ao desenvolvimento sustentável, ou seja:

  • a definição de um preço justo que cubra os custos de produção e de vida de forma sustentável, bem como a possibilidade de efectuar antecipadamente parte do pagamento aos produtores;
  • o estabelecimento de relações de longo prazo entre produtores e distribuidores;
  • a transparência e a rastreabilidade ao longo de toda a cadeia de abastecimento;
  • o respeito pelas convenções centrais da Organização Internacional do Trabalho (OIT), nomeadamente em relação ao trabalho digno, à liberdade sindical e às normas de trabalho;
  • o respeito pelos direitos humanos, pelo ambiente e pelos métodos tradicionais;
  • o reforço das capacidades de produção e o desenvolvimento do acesso dos produtores ao mercado;
  • a sensibilização dos intervenientes e dos consumidores para o funcionamento e os objectivos do comércio equitativo;
  • a criação de um processo de certificação;
  • a avaliação do impacto das actividades comerciais.

Os programas de sustentabilidade privados relacionados com o comércio oferecem também possibilidades de crescimento e de desenvolvimento sustentável. A Comissão considera que certas medidas podem melhorar os resultados destes programas. É necessário preservar a natureza não governamental das organizações que aplicam estes programas, promover as sinergias entre os diferentes programas e aumentar a sua visibilidade. Deve também chegar-se a uma definição comum dos requisitos de base, bem como estabelecer-se critérios de avaliação de impacto.

Os programas de sustentabilidade privadossão compatíveis com os princípios do sistema comercial multilateral. A Organização Mundial do Comércio (OMC) e a política comercial da UE apoiam a integração dos países em desenvolvimento na economia mundial. No entanto, a atribuição de rótulos de comércio equitativo deve respeitar os compromissos assumidos no âmbito da OMC no que diz respeito aos princípios de transparência e não discriminação.

Os contratos públicos representam 16 % doproduto interno bruto da UE. Os seus procedimentos deveriam respeitar mais os princípios do desenvolvimento sustentável. Em 2009, a Comissão apresentou uma comunicação sobre os contratos públicos ecológicos. De igual modo, está em curso a elaboração de um guia sobre contratos públicos sociais que preconiza a contemplação dos critérios do comércio equitativo nas ofertas públicas.

Através dos seus instrumentos de cooperação para o desenvolvimento, a UE apoia as organizações não governamentais que exercem actividades de comércio equitativo. Assim, entre 2007 e 2008, a UE financiou acções, nomeadamente de sensibilização para o comércio equitativo, tendo concedido um montante total de 19,466 milhões de euros. Estas acções realizam-se igualmente no âmbito do apoio ao desenvolvimento dos sectores agrícolas, rurais e comerciais, graças a quadros especiais de assistência a favor dos fornecedores tradicionais ACP de bananas e dos países signatários do Protocolo Açúcar.

Nos próximos anos, esforços adicionais deverão permitir aumentar a ajuda concedida pela UE para o desenvolvimento dos programas de comércio equitativo. A Comissão propõe melhorar as intervenções actuais através de avaliações da ajuda, de estudos de impacto e da promoção da transparência do mercado.

Palavras-chave
  • Comércio equitativo: termo que se aplica às organizações cujo funcionamento cumpre as normas estabelecidas pelos organismos internacionais de normalização e de avaliação da conformidade, membros da Aliança Internacional para a Certificação e a Rotulagem Social e Ambiental (International Social and Environment Accreditations and Labelling Alliance - ISEAL).
  • Programas privados de garantia da sustentabilidade: termo que designa os programas de rotulagem destinados a informar os consumidores sobre a sustentabilidade da produção do produto.
Última modificação: 11.09.2009
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página