RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Aplicação prática do Consenso de Monterrey

A União Europeia faz o balanço dos compromissos que assumiu no Conselho Europeu de Barcelona de Março de 2002 em matéria de financiamento do desenvolvimento e recomenda acções futuras em determinados domínios.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Conselho e ao Parlamento Europeu de 5 de Março de 2004 - Aplicação prática do Consenso de Monterrey: a contribuição da União Europeia - [COM(2004) 150 final - Não publicado no Jornal Oficial].

SÍNTESE

Neste relatório de acompanhamento anual, a Comissão faz o ponto da situação sobre os oito compromissos que assumiu no Conselho Europeu de Barcelona de Março de 2002 e defendeu na conferência de Monterrey (EN) sobre o financiamento do desenvolvimento.

Recursos financeiros consagrados à ajuda pública ao desenvolvimento

Neste domínio, o relatório concluiu que, pelo segundo ano consecutivo, os Estados-Membros se encontram no bom caminho no que respeita ao cumprimento desse compromisso e que vão, inclusive, superar o objectivo fixado. Apesar de uma situação orçamental difícil em vários Estados-Membros, os países da União Europeia (UE) em 2002 aumentaram em termos reais 5,8 % da sua ajuda pública ao desenvolvimento (APD) em relação a 2001 e consagraram-lhe 0,35 % do rendimento nacional bruto (RNB) colectivo.

A APD aumentou de forma significativa na Suécia, em França, na Grécia e em Itália; cresceu igualmente na Bélgica, na Finlândia e em Portugal mas, em contrapartida, diminuiu na Áustria, na Dinamarca, nos Países Baixos, em Espanha e no Reino Unido.

É importante notar que este relatório diz respeito à UE alargada aos 10 novos Estados-Membros. Estes novos membros, em conjunto, consagraram apenas 0,03 % do respectivo RNB à ajuda ao desenvolvimento em 2002. A Comissão calcula, porém, que essa percentagem poderia passar para 0,11 % em 2006, triplicando portanto o seu volume real.

Neste contexto, a Comissão convida os Estados-Membros a manterem ou a aumentarem as contribuições anuais para a APD durante o período que finaliza em 2006, a fim de preservar os progressos realizados pela UE tendo em vista respeitar os compromissos assumidos em Monterrey.

Melhor coordenação das políticas e melhor harmonização dos procedimentos

No que diz respeito a este compromisso, o relatório concluiu que a UE não conseguiu ainda reforçar de maneira significativa a coordenação das suas políticas de desenvolvimento nem harmonizar os procedimentos de execução da ajuda.

Resta portanto ainda muito por fazer para assegurar a utilização optimizada dos recursos que continuam a ser limitados. Actualmente ainda, a maior parte dos Estados-Membros insistem em aplicar os seus próprios procedimentos na gestão dos recursos consagrados à ajuda ao desenvolvimento nos países beneficiários. Como consequência, muitos destes países têm de fazer face a uma abundância de exigências em matéria de relatórios, normas contabilísticas diferentes, etc., o que constitui uma carga administrativa susceptível de comprometer seriamente as capacidades administrativas já por si limitadas. Os próprios Estados-Membros vêem-se privados de importantes ganhos de produtividade ao nível das suas administrações devido a uma duplicação de esforços, nomeadamente quando se trata de analisar a situação política dos países beneficiários.

Em consequência, a Comissão propõe toda uma série de medidas concretas, designadamente as seguintes:

  • Uma coordenação mais estreita entre os doadores da UE no domínio do desenvolvimento.
  • Uma coordenação mais estreita em termos de programação plurianual e de análise.
  • A elaboração de um quadro comum relativo aos procedimentos de execução da ajuda;
  • Um plano de acção comunitário para a coordenação e a harmonização, em cada país parceiro, no qual dois ou mais doadores da UE executam um programa de cooperação.

Outros compromissos

O relatório indica que, no que diz respeito aos seis outros compromissos assumidos em Barcelona, não é necessário adoptar, em 2004, outras medidas importantes a nível comunitário e que convém concentrar-se nas diversas actividades em curso a fim de as levar a bom termo.

Foram igualmente adoptadas, nos últimos anos, medidas concretas com vista a respeitar os compromissos assumidos em matéria de desvinculação da ajuda e de redução da dívida. Os progressos registados em matéria de bens públicos mundiais, de assistência relacionada com o comércio e novas fontes de financiamento são encorajadores, muito embora as iniciativas nestes domínios estejam a ser desenvolvidas por Estados-Membros individuais e não pela UE no seu conjunto.

Os compromissos assumidos em Barcelona

Em Barcelona, a UE tinha-se comprometido a:

  • Fazer passar o nível médio da ajuda pública ao desenvolvimento (APD) da UE de 0,33 % do rendimento nacional bruto (RNB) em 2002 para 0,39 % em 2006, como etapa transitória para a realização do objectivo de 0,7 % fixado pelas Nações Unidas.
  • Melhorar a eficácia da ajuda através de uma coordenação e de uma harmonização mais estreitas e adopção de medidas para esse efeito antes de 2004.
  • Tomar medidas para a desvinculação da ajuda no que diz respeito aos países menos avançados (PMA).
  • Aumentar a ajuda ligada ao comércio.
  • Fomentar a resolução da questão dos bens públicos mundiais.
  • Prosseguir o estudo das fontes de financiamento inovadoras.
  • Favorecer certas reformas dos sistemas financeiros internacionais.
  • Prosseguir os esforços tendo em vista assegurar a sustentabilidade da dívida no âmbito da Iniciativa a favor dos Países Pobres Altamente Endividados.

A conferência de Monterrey sobre o financiamento do desenvolvimento

A conferência internacional sobre o financiamento do desenvolvimento, que teve lugar em Monterrey (México) de 18 a 22 de Março de 2002, permitiu um consenso sobre o financiamento do desenvolvimento mundial nos países em desenvolvimento. A UE, que contribui com mais de 50 % da ajuda pública ao desenvolvimento à escala mundial, desempenhou um papel importante no êxito desta conferência. A UE tinha definido a sua contribuição para a conferência de Monterrey no Conselho Europeu de Barcelona de Março de 2002.

ACTOS RELACIONADOS

Relatório anual da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões de 4 Abril de 2007 - Respeitar os nossos compromissos em matéria de financiamento do desenvolvimento [COM(2007) 164 final - Não publicado no Jornal Oficial].

Comunicação da Comissão ao Conselho e ao Parlamento Europeu de 12 Abril de 2005 - Acelerar os progressos tendo em vista a realização dos objectivos de desenvolvimento do Milénio - Financiamento do desenvolvimento e eficácia da ajuda [COM(2005) 133 final - Não publicado no Jornal Oficial].

Última modificação: 27.05.2008
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página