RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 23 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  BG - CS - ET - GA - LV - LT - HU - MT - PL - RO - SK - SL

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Agenda europeia para a cultura num mundo globalizado

A Comissão propõe uma nova agenda europeia para a cultura, que tenta responder aos desafios da globalização. Com a nova estratégia europeia, pretende-se intensificar a cooperação cultural na União Europeia (UE), centrada numa série de propostas concretas tendentes a realizar um conjunto de objectivos comuns.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões, de 10 de Maio de 2007, sobre uma agenda europeia para a cultura num mundo globalizado [COM(2007) 242 final – Não publicado no Jornal Oficial].

SÍNTESE

O sector da cultura desempenha um papel essencial, dadas as suas numerosas implicações sociais, económicas e políticas. Por conseguinte, a cultura ocupa um lugar fundamental no processo da integração europeia.

Com base nestas considerações e na sequência dos resultados de uma consulta em linha das partes interessadas do sector da cultura, a Comissão propõe uma nova agenda europeia para a cultura centrada num número restrito de objectivos. Por forma a realizar esses objectivos, a Comissão sugere igualmente novos mecanismos de cooperação com e entre os países da União Europeia (UE), os outros níveis de governação e a sociedade civil.

Os objectivos da nova agenda europeia para a cultura articulam-se em torno de três prioridades:

Diversidade cultural e diálogo intercultural

O espírito de abertura e os intercâmbios entre diferentes culturas devem ser promovidos. Nesta perspectiva, a nova agenda para a cultura prevê incentivar:

  • a mobilidade dos artistas e profissionais do sector cultural e a circulação de todas as formas de expressão artística;
  • o reforço das competências interculturais e do diálogo intercultural, através do desenvolvimento de capacidades que figuram entre as competências‑chave para a aprendizagem ao longo da vida, como a sensibilidade e a expressão culturais e a comunicação em línguas estrangeiras.

Dinamização da criatividade no âmbito da Estratégia de Lisboa para o crescimento e o emprego

As indústrias culturais contribuem para o dinamismo da economia europeia, bem como para a competitividade da UE. A título de exemplo, a cultura emprega cerca de cinco milhões de pessoas na UE. A este respeito, a Comissão propõe os seguintes objectivos:

  • promover a criatividade na educação e integrar esta dimensão nas medidas relativas à aprendizagem ao longo da vida;
  • reforçar as capacidades do sector cultural em termos de organização, com especial incidência no empreendedorismo e na formação do sector cultural em competências de gestão (fontes de financiamento inovadoras, dimensão europeia das actividades comerciais, etc.);
  • desenvolver parcerias eficazes entre o sector cultural e outros sectores (TIC, investigação, turismo, parceiros sociais, etc.) no intuito de aumentar o impacto dos investimentos na cultura.

Dimensão cultural como elemento vital nas relações internacionais

Na esteira da Convenção da UNESCO sobre a protecção e a promoção da diversidade das expressões culturais, ratificada pela UE e pela maioria dos seus países, a nova agenda para a cultura propõe o reforço da dimensão cultural enquanto elemento indispensável das relações externas da UE. Esta prioridade faz-se acompanhar de várias medidas tendentes a:

  • prosseguir o diálogo político no domínio da cultura e fomentar o intercâmbio cultural entre a UE e os países não pertencentes à UE;
  • favorecer o acesso aos mercados mundiais dos bens e serviços culturais provenientes de países em desenvolvimento, por meio de acordos que prevejam um tratamento preferencial ou de medidas de assistência relacionadas com os intercâmbios;
  • apoiar-se nas relações externas para instaurar apoios financeiros e técnicos (preservação do património cultural, apoio a actividades culturais em todo o mundo);
  • ter em conta a cultura local em todos os projectos financiados pela UE;
  • intensificar a participação da UE nos trabalhos das organizações internacionais activas no domínio da cultura e no processo «Aliança de civilizações» da ONU.

Métodos de trabalho

Para realizar estes objectivos, a Comissão procura estabelecer um diálogo estruturado com o sector cultural, desde artistas e criadores até às indústrias culturais. Para tal, preconiza:

  • a identificação do conjunto dos intervenientes no sector cultural;
  • a organização de um «fórum cultural» que os reúna a todos;
  • a representatividade a nível europeu da opinião dos referidos intervenientes;
  • o aprofundamento do diálogo social entre os parceiros sociais do sector cultural;
  • a dimensão cultural nos debates públicos europeus, mediante, designadamente, o recurso às representações permanentes da Comissão.

Esta nova estratégia da cultura e o conjunto das medidas propostas assentam numa cooperação mais estreita entre a UE e os seus países através do mecanismo do método aberto de coordenação (MAC), pretendendo-se também desenvolver um diálogo estruturado com o sector cultural.

A nova agenda europeia para a cultura é completada por outras acções relacionadas com o sector da cultura, como o Ano Europeu do Diálogo Intercultural 2008.

Contexto

O sector cultural foi já objecto de várias acções europeias para a promoção da cultura, como os programas «Cultura», «Europa para os cidadãos» e MEDIA.

ACTOS RELACIONADOS

Relatório da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões, de 19 de Julho de 2010, sobre a realização da Agenda Europeia para a Cultura [COM(2010) 390 final – Não publicado no Jornal Oficial].
O presente relatório apresenta os progressos efectuados a nível europeu e a nível nacional quanto à realização dos objectivos da agenda europeia para a cultura, bem como as primeiras experiências com os novos métodos de trabalho.
A promoção da diversidade cultural e do diálogo intercultural envolveu uma diversidade de questões e acções, tais como:

  • o Ano Europeu do Diálogo Intercultural 2008, que iniciou novas políticas e estruturas nacionais e um acordo político a nível da UE;
  • a Comunicação da Comissão sobre multilinguismo de 2008, que visa transformar a diversidade linguística numa mais‑valia;
  • o acesso à cultura através da digitalização, para cujos fins foi lançado o programa Europeana em 2008, e da proposta de uma Marca do Património Europeu.

Foram lançadas várias iniciativas para promover a cultura como catalisador da criatividade, tais como:

  • o Ano Europeu da Criatividade e Inovação 2009, que analisou a forma como a cultura pode gerar inovação económica e social;
  • estudos sobre o impacto da cultura na criatividade, o empreendedorismo nas indústrias culturais e criativas e a contribuição da cultura para o desenvolvimento local e regional;
  • o Livro Verde sobre o desbloqueio do potencial das indústrias culturais e criativas, de 2010.

A promoção da cultura nas relações externas da UE teve um grande impulso desde a adopção da agenda e incluiu:

  • uma nova estratégia Euromed para a cultura, actualmente em preparação;
  • esforços importantes na reabilitação do património cultural dos países candidatos à adesão à UE, nomeadamente através do Instrumento para a Sociedade Civil no quadro do Instrumento de Pré‑Adesão (IPA);
  • um Programa Cultura da Parceria Oriental, com lançamento previsto em 2010;
  • um processo destinado a reforçar o papel da cultura nas políticas de desenvolvimento, lançado em 2009;
  • o programa MEDIA Mundus (2011-2013), que sucederá à acção preparatória MEDIA International.

As primeiras experiências do MAC indicam que, em geral, o mecanismo constitui uma ferramenta eficaz para a cooperação no domínio cultural. Todavia, ainda não foi suficientemente explorado para ser possível tirar conclusões significativas. No futuro, a cooperação deverá ser reforçada com a adaptação dos métodos de trabalho. O diálogo estruturado no sector cultural tem vindo a desenrolar‑se através de plataformas temáticas das associações europeias e do Fórum Europeu da Cultura. As plataformas temáticas foram especialmente úteis para o reforço do diálogo neste sector. No entanto, os esforços devem ser redobrados a fim de assegurar, no futuro, um diálogo mais direccionado com a sociedade civil.

Última modificação: 14.10.2010

Veja também

  • Sítio Web da Direcção‑Geral da Educação e da Cultura da Comissão Europeia sobre a Agenda Europeia para a Cultura (DE) (EN) (FR)
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página