RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Chipre

Arquivos

1) REFERÊNCIAS

Relatório da Comissão COM (1998) 710 final [Não publicado no Jornal Oficial]
Relatório da Comissão COM (1999) 502 final [Não publicado no Jornal Oficial]
Relatório da Comissão COM (2000) 702 final [Não publicado no Jornal Oficial]
Relatório da Comissão COM (2001) 700 final - SEC (2001) 1745 [Não publicado no Jornal Oficial]
Relatório da Comissão COM (2002) 700 final - SEC (2002) 1400 [Não publicado no Jornal Oficial]
Relatório de acompanhamento da Comissão COM (2003) 675 final - SEC (2003) 1202 [Não publicado no Jornal Oficial]
Tratado de Adesão à União Europeia [Jornal Oficial L 236 de 23.09.2003]

2) SÍNTESE

A legislação cipriota está em conformidade com o acervo desde 1989. No entanto, há que envidar esforços para ter em conta as alterações inseridas no acervo em 1997. As autoridades competentes comprometeram-se em adaptar o mais brevemente possível as disposições nacionais à legislação comunitária.
O relatório de Outubro de 1999 sublinhava a conformidade da legislação cipriota relativamente ao acervo e insistia na transposição de definições e na introdução de adaptações em matéria de publicidade, telecomercialização e radiodifusão.
O relatório de Novembro de 2000 indicava que Chipre tinha realizado progressos importantes e que a legislação relativa ao audiovisual estava totalmente conforme com o acervo comunitário.
O relatório de Novembro de 2001 demonstrava que Chipre continuava a alinhar a sua legislação cultural e audiovisual pelo acervo comunitário.
O relatório de Outubro de 2002 notava que, desde o último relatório regular, a situação tinha evoluído satisfatoriamente no domínio da política audiovisual.
O relatório de Novembro de 2003 salienta as medidas que Chipre ainda deve tomar a fim de completar o alinhamento pelo acervo
O tratado de adesão foi assinado em 16 de Abril de 2003 e a adesão teve lugar no dia 1 de Maio de 2004.

ACERVO COMUNITÁRIO

O acervo comunitário em matéria de audiovisual tem por objectivo a oferta e a livre circulação de serviços audiovisuais na União Europeia, assim como a promoção da indústria de programas europeia, no contexto do mercado interno. Estas disposições estão contidas na Directiva " Televisão sem Fronteiras " que se aplica a todos os organismos de radiodifusão televisiva, independentemente do modo de transmissão utilizado (via hertziana, por satélite, por cabo) e do seu estatuto de empresa pública ou privada, e define as regras de base relativas à difusão transfronteiras. Os pontos essenciais neste domínio são os seguintes:

  • Assegurar a livre circulação dos programas televisivos entre Estados-Membros.
  • Promover a produção e a distribuição de obras audiovisuais europeias (através da fixação de uma proporção mínima para a difusão de obras europeias e de produtores independentes);.
  • Definir normas de base no domínio da publicidade televisiva.
  • Garantir a protecção dos menores e o direito de resposta.

AVALIAÇÃO

Em Fevereiro de 2000, foram introduzidas modificações na legislação cipriota audiovisual que reforçam o seu alinhamento com o acervo. A autoridade responsável pela rádio e pela televisão vê assim a sua capacidade administrativa reforçada e os seus poderes aumentados.

Em 2001, o relatório da Comissão salienta que Chipre continuou a reforçar a sua capacidade administrativa para aplicar a lei de radio e televisão. A Autoridade administrativa de tutela da radio e da televisão (CRTA) foi dada a conhecer junto do grande público.

Em 2002, no âmbito do alinhamento sobre as disposições da Directiva "Televisão Sem Fronteiras", o CRTA estabeleceu critérios que permitem determinar que acontecimentos devem ser considerados como tendo uma importância essencial para o público cipriota e elaborou uma lista destes acontecimentos. Além disso, o CRTA elaborou um relatório relativo ao respeito, pelas sociedades cipriotas de rádio e televisão, das disposições legais relativas à difusão de uma maioria de obras audiovisuais europeias. Daí se deduz que todas as estações nacionais de acesso livre respeitam a legislação adequada. Além disso, o CRTA mostrou-se particularmente activo em questões como a protecção dos menores em relação ao conteúdo potencialmente prejudicial das emissões.

Chipre ratificou o Protocolo da Convenção do Conselho da Europa sobre a televisão transfronteiras. Além disso, o país tomou medidas para poder participar nos programas comunitários MEDIA Plus e MEDIA Formação ( castellano deutsch english français ) a partir de 2003.

O relatório de 2003 indica que Chipre ainda deve introduzir algumas alterações de ordem jurídica a fim de completar o seu alinhamento pelo acervo comunitário. A capacidade de aplicação do acervo no domínio audiovisual é considerada satisfatória. No entanto, as autoridades cipriotas deverão continuar a reforçar o organismo de regulação para garantir um controlo adequado do conjunto dos difusores

No domínio cultural, estão em curso negociações com vista à participação das organizações cipriotas no programa Cultura 2000.

A presente ficha de síntese, divulgada a título de informação, não tem por objectivo interpretar ou substituir o documento de referência.

 
Última modificação: 08.01.2004
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página