RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Aplicação dos artigos 107.º e 108.º do TFUE a determinadas categorias de auxílios estatais horizontais

A Comissão está habilitada a adotar regulamentos que estabelecem a compatibilidade de determinados auxílios com o mercado comum. Estes auxílios estão isentos da obrigação de notificação prevista no n.º 3 do artigo 108.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia (TFUE).

ATO

Regulamento (CE) n.º 994/98 do Conselho, de 7 de maio de 1998, relativo à aplicação dos artigos 87.º e 88.º (ex-artigos 92.º e 93.º) do Tratado que institui a Comunidade Europeia a determinadas categorias de auxílios estatais horizontais.

SÍNTESE

A Comissão pode, através de regulamentos, declarar que determinadas categorias de auxílios são compatíveis com o mercado comum e não estão sujeitas à obrigação de notificação prevista no n.º 3 do artigo 108.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia (TFUE) (antigo n.º 3 do artigo 88.º do Tratado que institui a Comunidade Europeia (TCE)). Estas categorias incluem:

  • os auxílios a favor de pequenas e médias empresas, da investigação e do desenvolvimento, da proteção do ambiente, do emprego e da formação;
  • os auxílios respeitantes ao mapa aprovado pela Comissão em relação a cada país da União Europeia (UE) no que se refere à concessão de auxílios com finalidade regional.

Estes regulamentos devem especificar em relação a cada categoria de auxílios:

  • o objetivo dos auxílios;
  • as categorias de beneficiários;
  • os limiares expressos quer em termos de intensidade em relação ao conjunto dos custos elegíveis quer em termos de montantes máximos;
  • as condições relativas à cumulação dos auxílios;
  • as condições de controlo.

Além disso, estes regulamentos podem:

  • estabelecer limiares ou outras condições para a notificação dos casos de concessão de auxílios individuais;
  • excluir determinados setores suplementares no que diz respeito à compatibilidade dos auxílios isentos em conformidade com os referidos regulamentos.

Através de regulamentos, a Comissão pode decidir que, tendo em conta o desenvolvimento e o funcionamento do mercado comum, determinados auxílios não preenchem todos os critérios estabelecidos no n.º 1 do artigo 107.º do TFUE (antigo n.º 1 do artigo 87.º do TCE) e que estão isentos do procedimento de notificação previsto no n.º 3 do artigo 108.º do TFUE desde que os auxílios concedidos a uma mesma empresa num determinado período não ultrapassem um montante fixo determinado.

Quando a Comissão adota regulamentos, impõe regras precisas aos países da UE para garantir a transparência e o controlo dos auxílios isentos da obrigação de notificação. Estas regras consistem em especial nas seguintes obrigações:

  • os países da UE devem enviar à Comissão um resumo das informações relativas a regimes de auxílios ou casos de auxílios individuais a partir da respetiva execução;
  • devem registar e compilar todas as informações relativas à aplicação das isenções por categoria;
  • devem enviar uma vez por ano à Comissão um relatório sobre a aplicação das isenções por categoria.

Os regulamentos adotados são aplicáveis durante um período determinado. Podem ser revogados ou alterados quando qualquer elemento importante que tenha motivado a sua adoção seja alterado ou quando o desenvolvimento progressivo ou o funcionamento do mercado comum o exigir.

Quando a Comissão pretende adotar um regulamento, publica um projeto que permite a todas as pessoas e organizações interessadas apresentarem-lhe as suas observações num prazo razoável.

Antes de publicar um projeto de regulamento e antes de adotar um regulamento, a Comissão consulta o Comité Consultivo em matéria de auxílios estatais que é composto por representantes dos países da UE e presidido pelo representante da Comissão.

De cinco em cinco anos, a Comissão apresenta ao Parlamento Europeu e ao Conselho um relatório sobre a aplicação do Regulamento (CE) n.º 994/98.

REFERÊNCIAS

AtoEntrada em vigorPrazo de transposição nos Estados-MembrosJornal Oficial

Regulamento (CE) n.º 994/98

15.5.1998

-

JO L 142 de 14.5.1998

ATOS RELACIONADOS

Regulamento (CE) n.º 800/2008 da Comissão, de 6 de agosto de 2008, que declara certas categorias de auxílios compatíveis com o mercado comum, em aplicação dos artigos 87.º e 88.º do Tratado (Regulamento geral de isenção por categoria) (Texto relevante para efeitos do EEE) [Jornal Oficial L 214 de 9.8.2008].

Regulamento (CE) n.º 1998/2006 da Comissão, de 15 de dezembro de 2006, relativo à aplicação dos artigos 87.º e 88.º do Tratado aos auxílios de minimis [Jornal Oficial L 379 de 28.12.2006].

Relatório da Comissão ao Conselho e ao Parlamento Europeu, de 21 de dezembro de 2006, intitulado “Relatório de avaliação sobre a aplicação do Regulamento (CE) n.º 994/98 do Conselho, de 7 de maio de 1998, relativo à aplicação dos artigos 87.º (ex-artigo 92.º) e 88.º (ex-artigo 93.º) do Tratado CE a determinadas categorias de auxílios estatais horizontais, em conformidade com o artigo 5.º do referido regulamento” [COM(2006) 831 final - Não publicado no Jornal Oficial].
O relatório sobre a aplicação dos regulamentos de isenção por categoria relativamente aos auxílios estatais revela um balanço amplamente positivo.
A Comissão adotou vários regulamentos de isenção por categoria com base no Regulamento (CE) n.º 994/98, nomeadamente no que diz respeito aos auxílios de minimis e aos auxílios a favor das PME, do emprego e da formação.
O relatório constata que a utilização dos regulamentos de isenção por categoria varia consideravelmente consoante os objetivos (taxa de utilização elevada relativamente aos auxílios a favor das PME, mas relativamente baixa no que toca aos auxílios a favor do emprego, por exemplo), mas também consoante os países da UE (medidas tomadas principalmente pela Itália, Reino Unido, Alemanha e Espanha).
Todavia, para garantir a segurança jurídica, os países da UE notificam sempre os auxílios que poderão ser executados no âmbito de um regulamento de isenção por categoria.
Com base na experiência adquirida e na orientação definida pelo Plano de ação no domínio dos auxílios estatais, a Comissão proporá em breve um regulamento de isenção geral que agrupará o conjunto dos regulamentos de isenção por categoria existentes. Nessa ocasião, incluirá certos tipos de auxílios em matéria de ambiente.

Última modificação: 18.10.2011
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página