RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Reforçar o mercado interno da televisão móvel

2008 será um ano crucial para a expansão da televisão móvel na União Europeia (UE). A Comissão incentiva a implantação desta nova plataforma e fornece informações sobre os elementos essenciais para que consumidores e operadores a adoptem.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões, de 18 de Julho de 2007 - Reforçar o mercado interno da televisão móvel [COM(2007) 409 final - Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

A televisão móvel consiste na transmissão de conteúdos audiovisuais para aparelhos móveis, nomeadamente telemóveis. Oferece a possibilidade de visionar qualquer conteúdo em qualquer momento. Esta plataforma combina o carácter dinâmico das telecomunicações com a diversidade do audiovisual.

A televisão móvel é considerada um serviço inovador incontornável. Esta plataforma poderá constituir, até 2015, um mercado de cerca de 20 mil milhões de euros e atingir 200 a 500 milhões de consumidores no planeta.

A Comissão convida os Estados-Membros e os intervenientes do sector a coordenarem os seus esforços e a acelerarem a implantação da televisão móvel em toda a Europa, para que esta não perca a sua vantagem competitiva no domínio dos serviços móveis.

Chaves para o êxito da televisão móvel

O êxito desta nova plataforma depende principalmente de três factores:

  • os aspectos técnicos - A norma DVB-H * é considerada a tecnologia mais adequada. A Comissão incentiva a utilização de uma norma técnica comum, inscrevendo a DVB-H na lista de normas da União Europeia (UE). Uma vez publicada esta lista no Jornal Oficial, os Estados-Membros terão a obrigação jurídica de promover e incentivar a utilização da norma DVB-H, sem no entanto proibirem a utilização de outras normas. Apela-se às empresas para que garantam uma interoperabilidade * eficaz, promovendo a obtenção de um consenso acerca da utilização comum da DVB-H;
  • o estabelecimento de um quadro regulamentar coerente - os Estados-Membros não aplicam as mesmas regras relativas à autorização dos serviços de televisão móvel. A Comissão deseja eliminar os obstáculos regulamentares, estabelecendo um quadro regulamentar coerente aplicável a todos os regimes de autorização na UE;
  • o acesso ao espectro radioelétrico - a televisão móvel pode beneficiar com o dividendo digita. Assim, é necessário garantir um espectro de qualidade, coordenando a atribuição destas frequências.

O êxito da adopção da televisão móvel depende igualmente da disponibilidade de conteúdos. A televisão móvel não oferece apenas a possibilidade de ver televisão em suportes móveis, permite igualmente ter acesso aos serviços audiovisuais a pedido. Estas novas possibilidades impõem igualmente uma nova abordagem dos direitos de autor, como faz notar a comunicação da Comissão sobre os conteúdos em linha.

Contexto

Esta nova plataforma é um exemplo de convergência digital, que beneficia do apoio da initiativa i2010. O desenvolvimento do mercado da televisão móvel contribui para a competitividade da UE e para o bem-estar dos europeus, como previsto nos objectivos da estratégia de Lisboa renovada para o crescimento e o emprego.

Palavras-chave do acto
  • DVB-H (Digital Video Broadcasting-Handheld): sistema de radiodifusão vídeo digital derivado da norma de televisão digital terrestre (TDT), optimizada para os terminais portáteis. A sigla DVB está associada a um consórcio industrial reconhecido pelo Instituto Europeu de Normalização das Telecomunicações (ETSI), que elabora normas de radiodifusão vídeo digital. Estas normas de difusão são a DVB-C (cabo), a DVB-S (satélite) e a DVB-T (terrestre) ou TDT. Todas elas são largamente utilizadas na Europa.
  • Interoperabilidade: capacidade que permite que dois sistemas se compreendam mutuamente e funcionem em sinergia.

ACTOS RELACIONADOS

Decisão 2007/176/CE da Comissão, de 11 de Dezembro de 2006 - Lista de normas e/ou especificações para redes e serviços de comunicações electrónicas e recursos e serviços conexos, que substitui todas as versões anteriores [Jornal Oficial L 86 de 27.3.2007].
Esta lista é estabelecida segundo determinados critérios definidos em cooperação com os Estados-Membros e visa incentivar o fornecimento harmonizado de redes de comunicações electrónicas, serviços de comunicações electrónicas e recursos e serviços conexos.

Última modificação: 17.05.2011
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página