RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Sexto programa de acção em matéria de ambiente

A União Europeia (UE) define as prioridades e os objectivos da política ambiental europeia até 2010 e para além desta data e enumera as medidas a tomar no sentido de contribuir para a aplicação da sua estratégia em matéria de desenvolvimento sustentável.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social e ao Comité das Regiões, de 24 de Janeiro de 2001, relativa ao sexto programa comunitário de acção em matéria de ambiente “Ambiente 2010: o nosso futuro, a nossa escolha” [COM(2001) 31 final - Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

O sexto programa comunitário de acção em matéria de ambiente, intitulado “Ambiente 2010: o nosso futuro, a nossa escolha”, cobre o período decorrente entre 22 de Julho de 2002 e 21 de Julho de 2012. Este programa inspira-se no Quinto Programa-Quadro de acção em matéria de Ambiente (DE) (EN) (ES) (FR), que abrangia o período compreendido entre 1992 e 2000, e na decisão relativa à sua revisão.

Uma abordagem estratégica

A comunicação assinala que, para fazer face aos desafios ambientais da actualidade, há que ultrapassar a abordagem estritamente legislativa e enveredar por uma abordagem estratégica a qual deve utilizar diversos instrumentos e medidas para influenciar as decisões adoptadas pelos círculos empresariais, consumidores, agentes políticos e cidadãos.

A comunicação propõe cinco eixos prioritários de acção estratégica:

  • melhorar a aplicação da legislação em vigor;
  • integrar o ambiente nas demais políticas;
  • colaborar com o mercado;
  • implicar os cidadãos e modificar o seu comportamento;
  • ter em conta o ambiente nas decisões relativas ao ordenamento e à gestão do território.

Para cada um destes eixos, são propostas acções específicas.

Para melhorar a aplicação da legislação, propõem-se as acções seguintes:

  • Apoiar a rede IMPEL (EN) e a sua extensão aos países candidatos.
  • Preparar relatórios sobre a aplicação do direito ambiental.
  • divulgar os resultados mais assinaláveis ou os mais medíocres da aplicação da legislação ambiental.
  • Melhorar as normas de inspecção ambiental.
  • Lutar contra a criminalidade ambiental.
  • Garantir a aplicação da legislação através do recurso ao Tribunal de Justiça Europeu, se necessário.

Para integrar o ambiente nas demais políticas, a comunicação propõe:

  • o estabelecimento de mecanismos complementares de integração;
  • a aplicação das disposições do Tratado relativas à integração;
  • o estabelecimento de indicadores para controlar o processo de integração.

A colaboração com o mercado poderá articular-se em torno das seguintes medidas:

  • Aplicação mais ampla do sistema comunitário de gestão e auditoria ambiental (EMAS).
  • Estímulo às empresas para que publiquem os seus desempenhos e respeitem as exigências em matéria de ambiente.
  • Introdução de sistemas de recompensa para as empresas respeitadoras do ambiente.
  • Promoção dos acordos voluntários.
  • Estabelecimento de uma política integrada de produtos.
  • Promoção da utilização do rótulo ecológico e da avaliação da sua eficácia.
  • Promoção de uma política de aquisições públicas respeitadora do ambiente.
  • Adopção da legislação sobre responsabilidade ambiental.

Para implicar os cidadãos e modificar os seus comportamentos, propõem-se as seguintes acções:

  • Ajudar os cidadãos a medir e a melhorar o seu desempenho ambiental.
  • Oferecer-lhes mais informações de qualidade sobre o ambiente.

Para ter em conta o ambiente na gestão e no ordenamento do território, propõem-se as seguintes acções:

  • Publicar uma comunicação sobre a importância da integração do ambiente na gestão e no ordenamento do território.
  • Melhorar a aplicação da directiva relativa à avaliação dos efeitos no ambiente.
  • Difundir melhores práticas e promover a troca de experiências relativas à planificação sustentável, incluindo a do espaço urbano.
  • Integrar a planificação sustentável na política regional comunitária.
  • Estimular a adopção de medidas agro-ambientais no âmbito da política agrícola comum.
  • Instituir uma parceria para a gestão sustentável do turismo.

O sexto programa de acção em matéria de ambiente centra-se em quatro domínios de acção prioritários: mudança climática, biodiversidade, ambiente e saúde e gestão sustentável dos recursos e dos resíduos.

As alterações climáticas

O sexto programa de acção reconhece que a mudança climática constitui o principal desafio para os dez próximos anos. O objectivo neste domínio é reduzir as emissões de gases com efeito de estufa para um nível que não provoque alterações artificiais do clima da Terra.

O objectivo da União Europeia a curto prazo é o cumprimento dos compromissos do Protocolo de Quioto, ou seja, até 2008-2012, reduzir 8 % das emissões de gases com efeito de estufa em relação aos níveis de 1990. A mais longo prazo, até 2020, haverá que reduzir 20 a 40 % dessas emissões, através de um acordo internacional eficaz.

Os esforços da Comunidade para fazer face aos desafios da mudança climática são múltiplos:

  • Integrar os objectivos do combate às alterações climáticas nas diversas políticas comunitárias, nomeadamente na política energética e na dos transportes.
  • Reduzir as emissões de gases com efeito de estufa através de medidas específicas destinadas a melhorar a eficiência energética, utilizar mais frequentemente fontes de energia renováveis, promover os acordos com a indústria e realizar economias de energia.
  • Desenvolver à escala europeia um regime de comércio de licenças de emissão.
  • Intensificar a investigação no domínio das alterações climáticas.
  • Melhorar as informações fornecidas aos cidadãos relativas às alterações climáticas.
  • Examinar as subvenções energéticas e a sua compatibilidade com os desafios das alterações climáticas.
  • Preparar a sociedade para o impacto das alterações climáticas.

Natureza e biodiversidade

O objectivo assinalado pela comunicação neste domínio é o de proteger e restaurar a estrutura e o funcionamento dos sistemas naturais, pondo um fim à degradação da biodiversidade na União Europeia e no mundo.

As acções propostas para atingir esse objectivo são as seguintes:

  • Aplicar a legislação ambiental, nomeadamente nos domínios da água e do ar.
  • Alargar o âmbito de aplicação da Directiva Seveso II.
  • Coordenar a nível comunitário as acções dos Estados-Membros na sequência de acidentes e catástrofes naturais.
  • Estudar a protecção dos animais e das plantas face às radiações ionizantes.
  • Proteger, conservar e restaurar as paisagens.
  • Proteger e promover o desenvolvimento sustentável das florestas.
  • Estabelecer uma estratégia comunitária de protecção dos solos.
  • Proteger e restaurar os habitats marinhos e o litoral e tornar a rede Natura 2000 extensível a esses habitats.
  • Reforçar a rotulagem, o controlo e a rastreabilidade dos OGM.
  • Integrar a protecção da natureza e da biodiversidade na política comercial e de cooperação para o desenvolvimento.
  • Estabelecer programas de recolha de informações relativas à protecção da natureza e da biodiversidade.
  • Apoiar os trabalhos de investigação no domínio da protecção da natureza.

Ambiente e saúde

Neste domínio, o objectivo assinalado pela comunicação é atingir uma qualidade ambiental que não coloque em perigo nem afecte negativamente a saúde das pessoas.

A presente comunicação propõe:

  • a identificação dos riscos para a saúde das pessoas, nomeadamente das crianças e dos idosos, e a adopção de legislação conforme;
  • a introdução das prioridades em termos de ambiente e saúde nas restantes políticas e na legislação relativa à água, ao ar, aos resíduos e ao solo;
  • a reforço da investigação no domínio da saúde/ambiente;
  • O estabelecimento de um novo sistema de avaliação e gestão dos riscos dos produtos químicos;
  • a proibição ou limitação da utilização dos pesticidas mais perigosos e a garantia de que sejam aplicadas as melhores práticas de utilização;
  • a garantia de aplicação da legislação relativa à água;
  • a garantia de aplicação das normas relativas à qualidade do ar e a definição de uma estratégia de combate à poluição atmosférica;
  • a adopção e a aplicação da directiva relativa ao ruído.

Gestão dos recursos naturais e dos resíduos

O objectivo é garantir que o consumo de recursos renováveis e não renováveis não ultrapasse os limites do que o ambiente pode suportar, dissociando o crescimento económico da utilização dos recursos, melhorando a eficácia da sua utilização e diminuindo a produção de resíduos. No que respeita aos resíduos, o objectivo específico é reduzir o seu volume final em 20 % até 2010 e em 50 % até 2050.

As acções a realizar são as seguintes:

  • Elaboração de uma estratégia para a gestão sustentável dos recursos, estabelecendo prioridades e reduzindo o consumo.
  • Fiscalização da utilização dos recursos.
  • Eliminação das subvenções que promovem a utilização excessiva dos recursos.
  • Integração do princípio da utilização eficaz dos recursos no âmbito da política integrada de produtos, dos sistemas de atribuição do rótulo ecológico, dos sistemas de avaliação ambiental, etc.
  • Elaboração de uma estratégia para a reciclagem dos resíduos.
  • Melhoria dos sistemas existentes de gestão dos resíduos e investimento na prevenção quantitativa e qualitativa.
  • Integração da prevenção dos resíduos na política integrada de produtos e na estratégia comunitária relativa às substâncias químicas.

As estratégias temáticas

O programa de acção prevê a adopção de sete estratégias temáticas sobre a poluição atmosférica, o meio marinho, a utilização sustentável dos recursos, a prevenção e reciclagem dos resíduos, a utilização sustentável dos pesticidas, a protecção dos solos e o ambiente urbano.

Contrariamente ao que se verificou no passado, estas estratégias baseiam-se numa abordagem global, por tema, e não em certos poluentes ou tipos de actividade económica. Fixam objectivos a longo prazo, baseados na avaliação dos problemas ambientais, bem como na procura de uma sinergia entre as diferentes estratégias e com os objectivos de crescimento e de emprego da estratégia de Lisboa. Permitem igualmente simplificar e clarificar a legislação existente.

Contexto internacional

A integração das questões ambientais em todos os domínios das relações externas da União Europeia é um objectivo do sexto programa de acção em matéria de ambiente. O programa tem em conta a perspectiva do alargamento da União Europeia e prevê a realização de uma ampla consulta às administrações dos países candidatos sobre o desenvolvimento sustentável e o estabelecimento de uma estreita cooperação com as ONG e as empresas desses países. É fortemente encorajada a aplicação das convenções internacionais relativas ao ambiente.

Uma base científica sólida

O sexto programa propõe uma nova abordagem na elaboração das medidas de carácter ambiental, para que as partes interessadas e o grande público participem cada vez mais na sua execução. Essa abordagem prevê um vasto diálogo, assim como a participação da indústria, das ONG e das autoridades públicas.

O programa basear-se-á sobretudo em análises científicas e económicas e em indicadores ambientais. Para o efeito, a Comissão trabalhará em estreita colaboração com a Agência Europeia do Ambiente (AEA).

ACTOS RELACIONADOS

Decisão n.º 1600/2002/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 22 de Julho de 2002, que estabelece o sexto programa comunitário de acção em matéria de Ambiente [Jornal Oficial L 242 de 10.9.2002].
Esta decisão estabelece o sexto programa comunitário de acção em matéria de ambiente, definindo objectivos, prazos e prioridades, os eixos prioritários da abordagem estratégica e os quatro domínios de acção descritos na comunicação “Ambiente 2010: o nosso futuro, a nossa escolha”, relativa ao sexto programa comunitário de acção em matéria de ambiente. No prazo máximo de quatro anos a contar da adopção desta decisão, deverão ser postas em prática iniciativas no âmbito de cada domínio de acção. A Comissão apresenta relatórios de avaliação ao Parlamento Europeu e ao Conselho, durante o quarto ano de execução do programa e no seu final.

Última modificação: 01.09.2011
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página